segunda-feira, 3 de agosto de 2015

A importância de se chamar Cecil

Cecil era um leão que vivia numa área protegida no Zimbabué. Os seus passos eram seguidos por investigadores de Oxford, era um animal considerado sociável e particularmente fotogénico – as suas fotografias pela internet são mais que muitas. Era um leão conhecido na região, e no mundo, de uma grande beleza, e do qual gostavam todos quantos o conheciam.


Na passada semana, numa caçada, Cecil acabou decapitado e sem pele. O seu perpetrador, Walter Palmer, cidadão norte-americano, médico dentista, pelos vistos, caminha para o mesmo destino.
Para além das ameaças de morte, do Pólo Norte ao Pólo Sul, manifestações de revolta, insultos e pedidos de extradição, a administração de Obama decidiu também abrir um inquérito ao que terá ocorrido, a fim de se apurarem as devidas responsabilidades, e de que a punição seja exemplar.

Palmas.

Pela mesma altura foi divulgado um vídeo que mostra a directora da Planned Parenthood, uma associação americana que promove e colabora na prática de abortos nos Estados Unidos da América, a vender órgãos de bebés em troca de somas avultadas de dinheiro e outros gozos materiais, tais como, por exemplo, um Lamborghini. 

A seguir ao vídeo, outro, e outro.... Tráfico de órgãos de bebés. Bebés que são mortos e desmembrados. A troco de dinheiro, muito dinheiro. Sob a máscara de “saúde sexual e reprodutiva”. Seguido do choque inicial, que levou a que muitas empresas, como a Coca-Cola, Xerox ou a Ford, se desvinculassem da Planned Parenthood, a reacção do Partido do mesmo Obama: outro inquérito. Mas desta feita não para apurar responsabilidades, não para punir exemplarmente, mas para silenciar, para compactuar, para fingir que este horror não existe. Um inquérito para averiguar, pasme-se, a legalidade das imagens obtidas. 

E agora, o silêncio.

O sepulcral silêncio dos media, das televisões, das rádios, das redes sociais. O silêncio que esconde o sangue dos inocentes. Onde estão as manifestações, as petições à Casa Branca, o choro, a indignação, a revolta, a vontade de fazer desaparecer esta gente da face da Terra? Onde estão os corações inflamados de justiça e de compaixão? A coragem de fazer frente, de proteger quem não pode ser protegido, de gritar por quem não consegue falar, de garantir a liberdade e defender a dignidade de quem tem a mesma Natureza? Onde está a identidade, a consciência de cada um?


Para onde caminhas tu, ó Homem, para onde caminhamos nós, nesta selva em que um rugido de um leão é mais importante que um choro silenciado de uma criança?
Catarina Nicolau Campos, senzapagare, 2015.08.02,  aqui


Sem comentários:

Enviar um comentário