quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Globalização fraterna

Eu acredito em ti.
A sério, senão não te apelava tanto.
Aceitas-me?
Sim, eu sei que sou diferente.
Tenho genes diferentes,
Experiências diferentes,
Um pensar diferente
E o meu espírito é único.
Mas tu és meu semelhante…
Provimos do mesmo éter que nos bafejou com a vida
E partilhamos uma missão comum:
A humanidade!
Por isso acredito em ti.
Não me magoes por não ser como tu desejas
Não me recrimines nem segregues,
Em prol de valores que não são os teus
Mas os de um outro alguém que tos impôs.
Abraça a diversidade de existências
Deixa-as coexistir numa colorida harmonia.

A maioria não é a totalidade
Sou como tu, mas não busco a igualdade.
Dá-me do teu espaço que necessito para ser eu,
Não me obrigues a seguir um caminho que não é o meu
Por muito que esse trilho esteja já decalcado
O meu destino não foi pelos outros traçado.
Para crescer em liberdade preciso de ti
No teu braço deixa-me ser pelo que seja que nasci.
E tu…acredita em mim.
A sério, senão não te apelava tanto.

Arine Malheiro

Sem comentários:

Enviar um comentário