quinta-feira, 24 de março de 2016

Votos de Santa Páscoa para todos e cada um!


Alinho com todo o gosto e prazer no comum desejo de boas festas de Páscoa para todas as amigas e amigos. E confesso que, a par deste gosto e prazer, está o dever que me incumbe de desejar o bem, a felicidade e a virtude a toda a gente. É a Páscoa que rebenta na primavera da floração para, a seu tempo, se robustecer em frutos estivais e na colheita outonal, seguida da sementeira das espécies resistentes aos rigores hiemais.

Mas o crente tem o dever e a alegria de propor que a Páscoa, além de boa e feliz, seja santa para todos os demais crentes e portadora da mensagem de paz e de justiça para todas as pessoas de boa vontade. E isso acontecerá se alicerçarmos a nossa vivência na respiração do Evangelho da vida, da dignidade, da liberdade e da atenção ao próximo – o de perto e o de mais longe.

Neste primeiro dia do tríduo pascal, não posso deixar de me recordar da exigência de fraternidade que o discipulado de Jesus Cristo nos incute oportuna e importunamente. Se estamos mesmo persuadidos da filiação comum do mesmo Paterfamilias, temos de estabelecer, manter e reforçar todas as pontes de fraternidade solidária entre todos, sem excluir ninguém.

Esta estruturação da vida no sistema de pontes de solidariedade implica a renúncia a qualquer tipo de inveja e, ao invés, partilharmos com os demais as alegrias e as tristezas e aproximarmo-nos dos outros nas suas diversas situações de angústias e tristezas, alegrias e exultações.

A mensagem de quinta-feira desta Semana Maior é múltipla. Desde logo, a fortaleza que o Céu garante aos que peregrinam neste mundo em busca do mais e do melhor para os outros e para si, materializada na bênção dos óleos dos catecúmenos e dos enfermos e na consagração do crisma. A vida cristã é estrada de luta contra as adversidades, temperada pela fortaleza e pela prudência, de que se revestiam os participantes na luta greco-romana, ungidos para não aderirem ao contendor ou ao solo e prosseguirem o espetáculo da luta para gáudio do imperador e do público. Os cristãos, por sua vez – não sendo do mundo, mas nele permanecendo em busca do Além – não estão para gáudio do profanum vulgus nem de qualquer imperador do século, mas para garantia do gáudio do seu Deus, da preservação e salvação das suas próprias pessoas e do bem-estar de todos estribado na justiça social, que se tornará mais real, intensa e abrangente se emoldurada pelo mandamento novo do Mestre, Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei.

***

E estamos já mergulhados na segunda mensagem do primeiro dia do tríduo pascal: a do amor fraterno, que se quer afetivo e efetivo. Para tanto, há que ter em boa conta, meditar e assumir:

“Antes da festa da Páscoa, Jesus, sabendo bem que tinha chegado a sua hora da passagem deste mundo para o Pai, Ele, que amara os seus que estavam no mundo, levou o seu amor por eles até ao extremo” (Jo 13,1).

No gesto simbólico do lava-pés aos discípulos, o Mestre dá a lição do serviço a prestar e a aceitar, como sinal e fruto do amor fraterno:

“Compreendeis o que vos fiz? Vós chamais-me ‘o Mestre’ e ‘o Senhor’, e dizeis bem, porque o sou. Ora, se Eu, o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Dei-vos exemplo para que, assim como Eu fiz, vós façais também. Em verdade vos digo, não é o servo mais do que o seu Senhor, nem o enviado mais do que aquele que o envia. Uma vez que sabeis isto, sereis felizes se o puserdes em prática.” (Jo 13, 13-17).

Depois, enunciou o mandamento novo, que é a marca do discípulo de Cristo:

“Dou-vos um novo mandamento: que vos ameis uns aos outros; que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei. Por isto é que todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros.” (Jo 13,34-35).

***

É ao serviço deste mandamento do amor fraterno que advém o sacerdócio ministerial, ora instituído, bem como a militância decorrente do sacramento do batismo, que nos inicia na economia eclesial de povo de Deus, e da confirmação, que nos confere a adultez da militância no apostolado. Para a robustez que esta militância postula, bem como para o desempenho do múnus do sacerdócio ministerial, advém a consagração do óleo do crisma. Os cristãos são investidos nas significativas funções proféticas, sacerdotais e reais aquando da incorporação em Cristo morto (mistério de sexta-feira santa), sepultado e descido à mansão dos mortos (mistério de sábado santo) e ressuscitado (mistério do domingo de Páscoa). E cumpre-se a Escritura: “Farás um unguento de óleo e aos filhos de Israel dirás: Unção sagrada será este óleo de geração em geração” (cf Ex 30,25.31). E seremos: Povo de reis, Assembleia santa, Povo sacerdotal, Povo de Deus.

***

Quanto ao sacerdócio ministerial, que gravita em torno da Eucaristia, da responsabilidade pela Palavra e da superorientação da caminhada, Jesus diz aos apóstolos, “Quem vos ouve a mim ouve” (Lc 10,16); e, “Em verdade, em verdade vos digo: quem receber aquele que Eu enviar é a mim que recebe, e quem me recebe a mim recebe aquele que me enviou” (Jo 13,20).

No contexto da instituição da Eucaristia, a referência ao sacerdócio ministerial costuma entender-se nos segmentos, “Fazei isto em minha memória” (Lc 22,19; 1Cor 11,24), e, falando do cálice, “Fazei isto, sempre que o beberdes, em memória de mim” (1Cor 11,25).

***

Outra mensagem deste dia de sacerdócio, unção e fraternidade, é exatamente a Eucaristia, hoje instituída na última Ceia. Um dos relatos mais sintéticos é o de Paulo na 1.ª carta aos Coríntios:

“Eu recebi do Senhor o que também vos transmiti: o Senhor Jesus, na noite em que era entregue, tomou pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse: ‘Isto é o meu corpo, que é para vós; fazei isto em memória de mim’. Do mesmo modo, depois da ceia, tomou o cálice e disse: ‘Este cálice é a nova Aliança no meu sangue; fazei isto sempre que o beberdes, em memória de mim’. Porque, todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha.” (1Cor 11, 23-26; cf Mt 26,26-29; Mc 14,22-25; Lc 22,14-20).

Como se vê, a Eucaristia é instituída como banquete – reunião e festa: é no contexto da ceia, a ceia pascal, festa familiar que evoca a libertação do povo da escravidão do Egito por força da aliança de Deus com o Seu povo selada pelo sangue do cordeiro (agora, o cordeiro é Cristo; e o sangue da aliança é o sangue de Cristo). E é o sacrifício de Cristo, o mesmo da Cruz: “na noite em que era entregue”; “anunciais a morte do Senhor”. E Marcos refere: “Após o canto dos salmos, saíram para o Monte das Oliveiras” (Mc 14,26). Aí, Jesus foi manietado para ir ao tribunal do sinédrio e ao tribunal dos romanos, de cujo julgamento intempestivo resultou a sua morte de cruz.

Mas é Eucaristia, que antecipa os tempos escatológicos (“anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha”), é Paixão, Morte, Ressurreição e banquete dos filhos – sacramento da caridade de Cristo e da fraternidade dos discípulos. A melhor síntese continua na antífona litúrgica:

Ó sagrado banquete, em que se recebe Cristo e se comemora a sua Paixão, em que a alma se enche de graça e nos é dado o penhor da futura glória.

***

Pela grandeza deste mistério e com a sua alegre exigência, Santa Páscoa para todos!

2016.03.24 – Louro de Carvalho

Sem comentários:

Enviar um comentário