sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

NUNCA SE CONFORMEM

«Do que você precisa, acima de tudo, é de se não lembrar do que eu lhe disse; nunca pense por mim, pense sempre por você; fique certo de que mais valem todos os erros se forem cometidos segundo o que pensou e decidiu do que todos os acertos, se eles forem meus, não seus. Se o criador o tivesse querido juntar a mim não teríamos talvez dois corpos ou duas cabeças também distintas. Os meus conselhos devem servir para que você se lhes oponha. É possível que depois da oposição venha a pensar o mesmo que eu; mas nessa altura já o pensamento lhe pertence. São meus discípulos, se alguns tenho, os que estão contra mim; porque esses guardaram no fundo da alma a força que verdadeiramente me anima e que mais desejaria transmitir-lhes: a de se não conformarem».
Agostinho da Silva.
Fonte:
aqui

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Como sabes que Deus existe, se nem ao menos sabes ler?

Conta-se que um velho árabe orava com tanto fervor e tantas vezes que, certa vez, o rico chefe de uma grande caravana chamou-o à sua tenda e perguntou-lhe: – Como sabes que Deus existe, se nem ao menos sabes ler? O velho respondeu:
Meu Senhor, conheço a existência de nosso Pai celeste pelos sinais Dele. – Como assim? – indagou o chefe, admirado. – Quando o senhor recebe uma carta de um familiar ausente, como reconhece quem a escreveu? – Pela letra. – E quando o senhor admira uma jóia, como sabe quem a confeccionou? – Pela marca do ourives, é claro. – Quando ouve passos de animais ao redor da tenda, como sabe, depois, se foi um lobo, um javali ou outro animal? – Pelos rastos. Então, o velho convidou-o a sair da tenda e, mostrando-lhe o céu, onde a lua brilhava cercada por multidões de estrelas, exclamou, com alegria: – Senhor, aqueles sinais lá em cima não podem ser de homens! Naquele momento, aquele homem rendeu-se às evidências e, ali mesmo na areia, sob a luz prateada do luar, curvou-se e começou a adorar o Criador.Bem disse Jesus: "Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos".
É um facto que as pessoas simples são mais capazes de entender e admirar os sinais de Deus do que os sábios.
In O Amigo do Povo

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Defesa dá cargo a ‘girl’ socialista


Gabinete do ministro confirma mudança no cargo em Janeiro. Augusto Santos Silva vai nomear para o cargo de secretária-geral Maria Isabel Pereira Leitão, amiga e apoiante de Marcos Perestrello à FAUL.
Fonte: aqui

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

73 anos e presidente do FC Porto há mais de 28 anos

No dia em que cumpre o seu 73º aniversário, Pinto da Costa, presidente do FC Porto há mais de 28 anos, aceitou o desafio de dar em vez de receber. Na verdade, aceitou partilhar, com os leitores de O JOGO, algumas das escolhas que foi fazendo ao longo do trajecto que o tornou num dos presidentes mais bem-sucedidos da história do futebol mundial e também num dos que registam maior longevidade no cargo.

Pela 20ª vez desde que chegou à presidência do FC Porto em 1982, Pinto da Costa celebra o seu aniversário em primeiro lugar no campeonato.

Os 5 Jogadores que Pinto da Costa mais admira
PELÉ
CRUYFF
DI STÉFANO
MADJER
EUSÉBIO
"Só fica de fora o Maradona, não por falta de qualidade, mas por falta de espaço"

Treinador com mais potencial
LEONARDO JARDIM - "O actual treinador do Beira-Mar parece-me poder fazer uma boa carreira"
VÍTOR PEREIRA - "Membro da equipa técnica de André Villas-Boas e um valor seguro para o futuro"

Mulheres bonitas
"Para mim, a beleza é interior, tanto como exterior. Por isso..."
A minha MÃE, a minha filha, JOANA, as minhas irmãs ALICE e EDUARDA e a FERNANDA MIRANDA

ROTUNDA DO AEROPORTO EM LISBOA
"Gosto sempre de lá passar quando me venho embora"

>> Dinheiro
O dinheiro é importante para que as pessoas possam ter uma vida digna, possam manter a sua independência e possam ajudar quem precisa e mereça. Agora, a obsessão pelo dinheiro... às pessoas que estão obcecadas, costumo dizer que não dá para o levar no caixão. As pessoas devem gozar a vida e proporcionar o bem-estar a quem as rodeia e é para isso que o dinheiro serve.

>> Trabalho
O trabalho é um direito e uma obrigação de todas as pessoas e a sua falta é um dos principais problemas da nossa sociedade. Pelo menos, daqueles que querem trabalhar, porque há muitos que não querem e preferem viver de subsídios. Mas é dramático perceber que há muita gente que quer trabalhar e não pode. E mais ainda quando, ao mesmo tempo, ficam sem trabalho famílias inteiras. É um dos problemas que este país tem de encarar de frente e ultrapassar.

>> Amizade
A amizade é um sentimento único e sublime. Traduz o lado positivo da vida. É, de facto, raro e especial perceber que se tem uma pessoa de quem se pode dizer, no verdadeiro sentido da palavra, que é nosso amigo. Por definição, um amigo não o é por interesse, mas sim por se identificar com os interesses e o carácter do outro. Só o prazer de usufruir da sua companhia e de, muitas vezes, ter o privilégio de lutar ao seu lado por aquilo em que ambos acreditam é um privilégio. Especialmente quando as amizades perduram muitos e muitos anos, como acontece sempre que são verdadeiras.

>> Amor
O amor também não é mau. Em muitos aspectos, é semelhante à amizade. O amor fraternal pode ser fantástico, o amor no seio da família é muito importante e o amor entre duas pessoas é especial. É algo que nos leva a fazer tudo o que está ao nosso alcance para proporcionar o bem-estar às pessoas que amamos e também um sentimento que nos proporciona uma felicidade ímpar. É um sentimento fundamental para a realização de qualquer pessoa.

>> Sexo
O sexo do meu tempo, que é o que ainda mantenho, é algo de normal, mas que, para mim, só tem significado, quando as duas pessoas se entregam totalmente e com amor.

>> Casamento
Há dois tipos de casamentos: um que eu não compreendo, embora tenha sido promulgado e, portanto, sobre esse não falo. Sobre o casamento tradicional, entre homem e mulher, digo que é um relacionamento especial que começa por ser muito bonito, mas pode acabar feio. Quando uma pessoa toma a decisão de casar, naturalmente, está convencido que está a tomar um passo importante e seguro, que muitas vezes não o é. Por isso é que há tantos divórcios. Eu já tenho dois e não vou ficar por aqui porque estou a planear casar uma quarta vez. Mas todos reconhecemos que um casamento que dure 50 anos é algo de fantástico.

>> Escola
A escola é absolutamente fundamental em qualquer sociedade que pretenda ter um futuro. É com base naquilo que aprendemos na escola que partimos na aventura da vida e por isso mesmo deve haver todo o investimento e todo o cuidado com essa área da sociedade para dispensarmos à educação a atenção que merece.

>> Justiça
A Justiça é sempre atacada, por tudo e por todos, mas parece-me que exageradamente e de uma forma injusta. Em todos os ramos e actividades há melhores e piores profissionais, mas acho que a Justiça, mesmo tardando, ainda se faz neste país. E eu acredito na Justiça.

>> Fé
A fé ou se tem ou não se tem. Eu tenho. Fui criado no seio de uma família católica, o que muitas vezes não é suficiente, porque muitas pessoas acabam por perdê-la. Eu mantenho a minha fé e as minhas crenças e tenho motivos para isso porque nos momentos mais complicados nunca a perdi e sempre senti que há uma ajuda que ultrapassa o aqui que é explicável e natural.

>> Espírito de Missão
Todos nós temos obrigações perante os outros e, quando podemos ser úteis, muitas vezes temos de colocar o nosso próprio interesse para trás das costas e fazer aquilo que é mais importante para a comunidade.

>> Natal
Vejo sempre o Natal como um momento de felicidade. Ainda este Natal tive a felicidade de estar com a pessoa que amo e com a minha filha. Não me restarão muitos Natais, mas ainda espero poder passá-lo com a mulher que amo, com a minha filha e com o meu filho. Gostava que nos pudéssemos juntar os quatro.

Família
A família é a base de uma sociedade saudável e funcional. É fundamental para o bem-estar de cada um de nós, para nos sentirmos parte de algo maior e mais importante que nós próprios.
Fonte: aqui

Uma centena de pessoas foi para o centro comercial despida

Aparecer apenas com a roupa interior, em pleno Inverno, num centro comercial pode parecer loucura mas foi exactamente o que uma centena de pessoas fez esta terça-feira de manhã.

O facto insólito deve-se à campanha da Desigual que oferecia vestir os corajosos que às 09h00 estivessem à porta da loja no Centro Comercial Dolce Vita Tejo, em Lisboa.
Houve quem tivesse chegado à 01h30 para ter a certeza de que quando as portas abrissem, tinham direito a esta prenda tardia de Natal.
Os homens de boxers, as mulheres com roupa interior que incluiam meias até ao joelho e salto alto, todos acabaram por sair vestidos da loja, com direito a duas peças que escolhessem, grátis.
A campanha repete a iniciativa feita noutras cidades em que a marca espanhola opera, tendo os responsáveis considerado que os portugueses responderam bem à iniciativa.
Fonte: aqui

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Eis como se gere a política da meia-verdade

Numa das muitas entrevistas que José Sócrates vem dando, a cada dia mais crente nas virtudes da propaganda, o primeiro-ministro contesta que o Governo tenha falhado, ultimamente, todas as suas previsões.
«Em 2009, temos um défice de 9,3% - que aumentámos de 2,7%, salvo erro -, mas há uma boa razão: é que tivemos a maior crise internacional dos últimos 80 anos», alega Sócrates.
Ora, esta justificação é apenas uma parte da verdade. Pois foram razões nacionais (a crise do nosso crónico endividamento, o despesismo do Estado e a falta de competitividade da economia) que levaram o défice português para valores bem acima da maioria dos parceiros da UE - e o nosso PIB para valores bem na cauda da lista europeia.
E foram razões político-eleitorais que levaram o Governo socialista a distribuir em 2009, ano de legislativas, generosas benesses, como aumentos de salários ou a descida do IVA - só admitindo que havia uma enorme derrapagem do défice já depois de realizadas as eleições.
Quanto ao igualmente problemático défice deste ano de 2010, o primeiro-ministro explica assim o recurso à receita extraordinária do fundo de pensões da PT: «Tivemos também uma despesa extraordinária chamada submarinos. Como compensaríamos os mil milhões de euros dessa despesa extraordinária sem recorrermos a uma receita extraordinária?». Ora isto é, mais uma vez, uma meia-verdade. O fundo da PT vai pagar os mil milhões dos submarinos, mas ainda sobram 1,7 mil milhões. Que vão servir para quê? Para encobrir muitas outras derrapagens extraordinárias.
Como o incontrolável buraco da Saúde. Onde as dívidas do SNS, dos hospitais-empresa, às farmacêuticas, etc., atiraram o défice para um nível alarmante. Que a ministra Ana Jorge recusa confirmar, mas não ousa desmentir. E, pela primeira vez desde há muitos anos, o seu Ministério da Saúde omitiu agora o valor do défice acumulado nos mapas que o Governo entregou no Parlamento para a discussão do OE.
Eis como se gere a política da meia-verdade. Ou da meia-mentira, como se quiser.
jal@sol.pt

sábado, 25 de dezembro de 2010

170 cobras desaparecem de reptilário

O alerta já foi dado aos moradores das redondezas: 170 cobras e serpentes venenosas desapareceram do reptilário de Santa Cruz da Esperança, perto de Ribeirão Preto, no Brasil.

Segundo o jornal ‘O Globo', os responsáveis pelo centro deram pelo desaparecimento dos animais esta quinta-feira, mas estimam que o mesmo tenha ocorrido dois dias antes.

A polícia suspeita, segundo o mesmo jornal, de que o espaço de criação de cobras tenha sido alvo de roubo, até pelo facto do cadeado da porta do estabelecimento ter sido destruído.

A funcionar há sete anos com as devidas autorizações, o reptilário exporta veneno de cobra para outros países.

Fonte: Correio da Manhã

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Natal da Mentira

É Natal!
Tempo de alguns políticos
andarem à caça
dos votos dos incautos,
aproveitando-se dos bons
sentimentos,
incensando
a caridade.

É Natal!
Época para os angariadores
de donativos
cobiçarem a carteira
dos ingénuos,
sugerindo
o arredondamento
das compras.

É Natal!
Paraíso do marketing
que engendra o mais eficaz
bombardeamento
da publicidade,
metralhando crianças,
torpedeando pais,
fustigando o amargo
quotidiano destes dias
de injustiças vorazes.

É Natal!
Que ternura saber que
os beneméritos
administradores
das multinacionais
aliviam os impostos
com dinheiro alheio!

É Natal! É Natal!

É Natal!
quadra para todos
os embusteiros
se servirem de ti,
rezando:
venha a nós a tua bolsa,
compra isto e mais aquilo
gasta agora, paga depois...

É Natal!
Porém, não tenhas dúvidas.
Eu falo de outra coisa
que não existe na troca
de postais e presentes,
ou na dentada
naquele chocolate,
na filhós,
na fatia de bolo-rei...

...porque há quem passe fome,
quem esteja doente
e os flagelos do desemprego,
da guerra,
do espezinhamento
dos direitos mínimos,
ditos humanos,
é uma notícia banal...

...por isso, até haver paz
liberdade
e fraternidade,
nunca poderá ser Natal!

Luís Filipe Maçarico (poema) Maria Keil (desenho)
In AGUAS DO SUL

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

I believe

http://www.andiesisle.com/creation/magnificent.html

É mentira a crise? Somos inconscientes?

Portugueses estão a gastar mais nas compras de Natal

Veja aqui.

Será que a crise é virtual? Será que a crise é fictícia? Será que a crise é apenas algo que tem a ver com jornais? Será que a crise é apenas um reles entretenimento dos políticos? Será que o povo não sente a crise?

Ou será que somos um povo inconsciente? Será que em vez da coragem de enfrentar a crise, tentamos a fuga para a frente?

- Enquanto na Europa a venda de automóveis tem decaído, em Portugal aumenta.
- Tudo o que o que é hotel e viagem de fim-de-ano está esgotado em Portugal.
- Aumentam as despesas com as compras de Natal.

Compras de Natal. O gosto pelo supérfluo. O dar nas vistas. O não ficar atrás do vizinho.
Um povo que se esvazia em interioridade, mas que se enriquece em exterioridades. Um povo estilo "balão"...
Não admira depois os governos que este povo escolhe...À sua medida.

Quando será que os portugueses começam a ganhar juízo? Será preciso vir o FMI para meter os lusitanos na ordem?

As 50 medidas

Na véspera da cimeira de Bruxelas, onde vai prestar contas à senhora Merkel e restantes parceiros europeus, José Sócrates anunciou um pacote de meia centena de medidas para aumentar a competitividade da economia - das quais, apesar de tão numerosas, pouco ou nada de concreto se sabe.
O que se sabe é que este extenso rol de medidas é o resultado directo das exigências feitas, há uma semana e meia, pelos eurocratas de Bruxelas a Portugal e, em particular, ao agora quase mudo ministro Teixeira dos Santos (que, contrafeito com o papel a que se viu remetido - de ouvir raspanetes nas reuniões europeias e andar a vender a dívida portuguesa porta a porta por esse mundo fora - se auto-impôs uma greve parcial de declarações públicas). O presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, pediu a Teixeira dos Santos «novas medidas de consolidação orçamental», o comissário Olli Rehn insistiu com mais passos «nas reformas estruturais, como a da legislação laboral». E o resultado aí está.

Mas o que parece é que este pacote de 50 intenções vagas, conhecendo nós demasiado bem o estilo e as práticas de Sócrates, se destina mais a iludir os seus colegas europeus e a sossegar as suas exigências do que a ter qualquer efeito na competitividade da economia portuguesa.

Ainda assim, há aqui um padrão de comportamento que se repete. Foi também exactamente na véspera de uma importante cimeira europeia, do Ecofin, no final de Setembro, que Sócrates e Teixeira dos Santos anunciaram ao país o terceiro e mais drástico pacote de medidas de austeridade: corte de 5% nos salários da Função Pública, congelamento de pensões e subsídios sociais, aumento do IVA para 23%, etc. E foi também como resultado das crescentes pressões de Bruxelas que esse pacote foi aprovado em Conselho de Ministros.

Ou seja, o Governo, que há muito perdeu a autonomia e a iniciativa das decisões, passou a ser comandado ao ritmo das directivas de Bruxelas. E a aprovar pacotes de medidas em todas as vésperas de reuniões ou cimeiras europeias. Quanto a Sócrates, continua a dar profusas entrevistas, a desmentir a realidade e a vender ilusões. Reduziu-se a uma espécie de marketeer político. Antes de sair de cena.

jal@sol.pt

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

FALA-SE DE DESCENTRALIZAÇÃO, MAS CADA VEZ SE RECENTRALIZA MAIS

Já disse, várias vezes, que sou a favor da descentralização e, nessa medida, da regionalização.

Não porque seja contra o centro, mas, pelo contrário, porque acredito que não deve haver um único centro. Deve haver vários centros e muitos pólos.

O que me intriga é a contradição que afecta o discurso e a prática de muitos que dizem defender a regionalização.

Parece que se limitam a querer uma reprodução de estruturas. Será que a regionalização é a multiplicação de parlamentos e governos?

Ora, isso não resolve nenhuma situação. Só agravará os problemas.

Eu entendo a regionalização como uma distribuição não de estruturas, mas de serviços.

Do que as pessoas precisam não é de mais estruturas. É de mais (e melhores) serviços.

Sucede que não é isso o que está a acontecer. É mesmo o contrário disso que está a ocorrer.

Fala-se de regionalização como um processo de proximidade e estão a retirar-se serviços nomeadamente nos campos da saúde e da educação.

Os hospitais e as escolas estão cada vez mais longe das pessoa.

Será bom recordar que Salazar, apesar de não ser democrata, descentralizou mais do que muitos democratas.

No seu tempo, havia hospitais em quase todos os concelhos e escolas em praticamente todas as aldeias.

Com as vias de comunicação mais apuradas, talvez não seja necessário chegar tão perto das pessoas. A questão é que estamos a desenraizar perigosamente os cidadãos.

Eis mais uma incoerência flagrante. Fala-se tanto de descentralização. E centraliza-se cada vez mais.

Assim, a democracia não avança. Há que repensar, de vez, a nossa vida comunitária.

As eleições presidenciais poderiam ser uma oportunidade. Mas, na poeira dos ataques, estão a ser uma oportunidade...perdida!
Fonte: aqui

domingo, 19 de dezembro de 2010

sábado, 18 de dezembro de 2010

A importância das árvores

O Outono é um cântico dourado de glória ao Divino Criador. Pena é que a vida corrida que vivemos não nos permita contemplar serenamente a beleza incomensurável desta estação.
Se pararmos diante de uma dessas árvores belas, podemos ouvir esta sua mensagem silenciosa e rica.
Nós somos as tábuas do teu berço; somos as tábuas do teu leito.
Somos a mesa e a cadeira onde realizas teu trabalho; somos as portas e as janelas da tua casa; somos as tábuas do teu barco e o cabo das tuas ferramentas e somos a bengala da tua velhice.
Nós te oferecemos a sombra fagueira que procuras fugindo ao calor excessivo do verão.
Nós te oferecemos frutos variados e saborosos que tanto aprecias.
Nós acolhemos as aves e dispomos nossos braços para a maravilha dos seus ninhos. Nós somos a beleza da paisagem, nos quintais e campos, nos montes e florestas.
Somos limite de teus campos e caminhos e somos a lenha preciosa que vos aquece no rigor do Inverno.
Perfumamos os ares com o nosso bálsamo e renovamos o oxigénio.
Nós somos a madeira que te acompanha e jaz contigo na última morada.
O poeta Tagore põe na “boca” das árvores esta súplica: “Homem, tu que me plantaste, não me maltrates!”
Há pessoas que amam verdadeiramente as árvores.
Conheci um homem que possuía várias árvores de fruto no seu quintal tratadas com todo o cuidado. Teve de ir viver com os filhos no Brasil. Antes de sair de casa, abraçou, chorando, cada árvore, num acto de gratidão.
Respeitemos e ensinemos a respeitar as árvores!
Fonte: aqui

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Castigos corporais a crianças proibidos em 29 países

Os castigos corporais a crianças, incluindo os praticados no seio da família, já são proibidos e punidos em 29 países do mundo, incluindo Portugal, segundo o último relatório de uma organização internacional sobre a matéria.
Polónia, Quénia e Tunísia foram os últimos países a aderir a esta lista, proibindo todos os castigos corporais a crianças.

Este relatório é realizado anualmente pela 'Global Initiative To End All Corporal Punishement of Children' na sequência do estudo das Nações Unidas sobre Violência contra as Crianças, apresentado em 2006, que estabelecia como meta a proibição universal desta prática até 2009.

Segundo a organização, o número de Estados que proíbem os castigos corporais tem vindo a aumentar anualmente, mas ainda existe muito trabalho a fazer, uma vez que apenas 4,5 por cento das crianças no mundo estão protegidas por leis que punem estes actos praticados pelos próprios pais.

Em 2009, o relatório indicava que os castigos a crianças eram totalmente proibidos em 25 Estados do mundo, em 2008 a lista era composta por 23 países em 2007 um total de 19.

No relatório da Global Initiative To End All Corporal Punishement of Children, agora divulgado, Portugal aparece como um dos países que alterou a sua legislação tendo em vista o respeito pelos direitos da criança e a abolição dos castigos corporais, entrando para a lista dos 29 em 2007.

Em Portugal, a revisão do código penal indica no artigo 152 que os castigos corporais, a privação da liberdade das crianças e as ofensas sexuais são punidos com penas de um a cinco anos de prisão.

Na verdade, adianta o relatório, o mundo caminha rapidamente para a aceitação dos direitos das crianças, para o respeito pela sua dignidade humana e integridade física, mas ainda há um percurso a percorrer para que esta aceitação esteja plasmada na legislação.

O documento aponta ainda para um progresso em outros ambientes, como por exemplo ao nível escolar. Os castigos corporais são proibidos nas escolas de 110 Estados, contudo existem ainda 87 países que admitem punições corporais em recinto escolar ou em instituições de acolhimento de crianças.

Os Estados que promulgaram leis que proíbem os castigos corporais nas escolas durante os últimos cinco anos incluem Afeganistão, Belize, Ilhas Cook, Índia, Mongólia, Samoa, Taiwan e Togo.

Para a organização, os progressos alcançados em muitos Estados através da proibição legal do castigo corporal devem ser comemorados, mas é necessário que muitos outros Estados assumam este direito fundamental das crianças.

No final de 2010, ainda existem 168 Estados de todas as regiões do globo onde a lei permite que os pais batam nas crianças na sua própria casa, lugar onde deveriam sentir-se mais seguras.

Em 156 Estados, as crianças que, por qualquer razão se encontram ao cuidado de pessoas que não os seus pais, ficam legalmente sem protecção contra ataques punitivos praticados por alguém que tem como dever protege-los.

Dos 29 países com legislação que proíbe castigos corporais a crianças em qualquer ambiente, incluindo no seio da família, a Suécia foi o primeiro a tomar a iniciativa em 1979, seguindo-se a Finlândia em 1983, a Noruega em 1987, a Áustria em 1989, o Chipre em 1994, a Dinamarca em 1997, a Letónia e Croácia em 1998, Israel, Alemanha e Bulgária em 2000 e Islândia em 2003.

Portugal entrou para este grupo em 2007, assim como a Espanha e a Venezuela.

A iniciativa global foi lançada em Genebra em 2001 e destina-se encorajar mais acção para que deixem de existir castigos corporais em todos os continentes.
Lusa / SOL

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Ouro

A crise, o medo de ser assaltado e uma extrema valorização são as principais razões que, desde 2008, têm levado os portugueses a desfazer-se vertiginosamente da maior parte dos objectos de ouro que têm em sua posse.

A febre de venda de ouro que atingiu os portugueses subiu a um grau tão alto que Albino Moutinho, o proprietário da fundição que em Gondomar transforma as jóias, libras e outras moedas e todo o tipo de objectos deste metal em lingotes de ouro para vender à Alemanha, acredita que em dois anos os portugueses esgotarão este tipo de bens que lhes têm vindo a assegurar um complemento aos salários e a pagar crédito malparado.
In O Amigo do Povo

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Sudão: Mulher chicoteada por usar calças

video

In Correio da Manhã

Não, isto não se passou na Idade Média. É verdade, cenas destas acontecem no século XXI!

Perante factos destes, pergunta-se:

- Onde param os movimentos cívicos?

- Que faz o movimento feminista?

- Que dizem e que propõem os intelectuais ocidentais?

- Como reagem os governos ditos democráticos?

- E a comunicação social, sempre tão aguerrida contra qualquer falta do cristianismo, que cobertura dá a actos desta bárbarie?

- Tanto silêncio! Quando muito, entreabre-se a janela... MEDO???

Ou nos defendemos todos ou perecemos todos.

A IGREJA TEM UM ESTADO PORQUÊ?(nem o Vaticano escapou ao vendaval Wikileaks)

O caso WikiLeaks não é o vendaval tempestuoso que se antecipava, mas não deixa de provocar estragos em todo o planeta. Trata-se de uma vaga de chuva que se fez sentir um pouco por toda a parte.

O Vaticano terá sido descrito, nas escutas interceptadas, com um estado ou um poder «fechado, provinciano e antiquado».

Não me vou deter sequer nos (des)qualificativos.

A questão coloca-se, desde logo, no substantivo.

Sabemos que, sem entrar em polémicas, o facto de a Igreja ser dirigida a partir de um estado encerra um considerável índice de problematicidade.

É certo que, hoje em dia, não estão em jogo as pretensões de outrora. Trata-se-á de uma forma de agilizar uma presença que se deseja universal, junto de todos.

Mas não há dúvida de que a figura de um estado é difícil de articular com o princípio bíblico-teológico que alicerça a Igreja.

Não esqueçamos que o Fundador (e perene Fundamento) da Igreja deixou bem claro que recusava qualquer reino deste mundo.

No seu propósito de presença em todos os espaços, a Igreja foi assimilando as formas de ser e estar de cada ambiente. Em Roma, assimilou o império.

Daí que tenha pertinência a observação do Prof. Juan Laboa Gallego, reputado historiador, quando dá voz «à impressão de que em Jerusalém ficou a coroa de espínhos e em Roma a tiara». Já agora, também em Belém terá ficado a manjedoura.

É claro que há sempre o risco de subsistir algum simplismo nestas sínteses. Elas valem sobretudo pela sua dimensão simbólica. É sabido que Pedro e Paulo não foram para Roma à procura de qualquer poder. Eles mantiveram-se sempre pobres e foram até martirizados. O problema veio depois.

Talvez impressione que, volvidos tantos séculos e atenta a vontade de refontalização, ainda não se tenha optado por um despojamento maior.

Ninguém estará à espera de que, nos próximos tempos, apareça um papa Cirilo (personagem central de As sandálias do pescador, de Morris West) a desfazer-se por completo do Vaticano.

Mas não há dúvida de que era tempo de, também neste ponto, nos aproximarmos mais de Jesus. Não convencemos apenas pelas palavras. Aliás, ninguém será convencido pelas palavras se os gestos não estiverem em conformidade com elas.

Reitero que não valerá a pena criar polémicas. Mas é indiscutível que o estado do Vaticano é mais filho do tempo do que emanação de Cristo.

Uma Igreja pobre será a maior riqueza que teremos para oferecer.
Fonte: aqui

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

domingo, 12 de dezembro de 2010

Diga aos seus amigos que é amigo

video

Em busca da autenticidade perdida

O coração da vida social e política deixou de ser a coerência entre o ser, o pensar, o dizer e, sobretudo, o fazer

O tempo passa e um pouco de tudo aquilo que nós chamávamos falsidade se transforma em verdade
Marcel Proust
Quando um político diz, em pose de vencedor, que a verdadeira sondagem é a eleição a que concorre, deve perceber-se que já a perdeu em definitivo.

Quando um governante afirma, em pose de autoridade, que o FMI não entra no seu país, deve entender-se que está prestes a ser recebido.

Quando um chefe de um governo declara, em pose de juramento, que na sua mente não há qualquer remodelação, aproxima-se o dia de se saber quais os ministros e secretários de Estado que vão sair e entrar.

Quando um director de um clube anuncia, em pose de estádio, que o treinador não está a prazo, deve-se antever que está prestes a ser despedido.

Quando um banqueiro afirma, em pose segura, que a banca está imune às crises, deve perceber-se que um ""qualquer" BCE" está a financiá-la.

Quando um governante enfatiza mecanicamente a vitalidade da sociedade civil nas áreas social e educativa, em pose de profissão de fé, deve desconfiar-se e esperar pela asfixia de iniciativas fora da esfera pública.

Quando um dirigente de um clube formula votos de êxitos internacionais aos seus directos adversários domésticos, em pose de solidariedade, deve adivinhar-se que, no seu íntimo, deseja exactamente o contrário.

Quando um governante se regozija, em pose de Estado, com menos 0,1 pontos percentuais na taxa de desemprego ou mais 0,1 pontos percentuais no PIB, deve ler-se que a situação social e económica vai piorar.

Quando uma central sindical diz, em pose aclamatória, que uma greve foi um êxito, deve calcular-se que atingiu apenas uma minoria da actividade laboral.

Quando um ministro da Economia realça o papel determinante das PME, em pose de colóquio, deve perceber-se que estava a pensar nas grandes empresas do regime.

Quando um ministro das Obras Públicas diz que põe de parte uma grande obra, em pose técnica, deve esperar-se por saber quando a começa e quanto vai custar a mais.

Quando um ministro da Saúde anuncia, em pose adventista, que os medicamentos vão ficar mais baratos, deve ler-se que os utentes vão ter menos comparticipação.

Quando um ministro da Educação se regozija com uma qualquer estatística, em pose de Magalhães, quer dizer que o facilitismo escolar aumentou.

Quando certos empresários reivindicam menos Estado, em pose de auto-suficiência, estão a candidatar-se a mais algum apoio desse mesmo Estado.

Quando um dos responsáveis pelo OE diz que a despesa pública está dentro dos padrões de segurança, em pose de relatório, quer significar que está fora de controlo.

Quando certos gestores anunciam, com pompa e circunstância, uma "reestruturação, reengenharia" ou um qualquer outro substantivo com o prefixo "re", em pose tecnocrática, estão a equacionar um despedimento colectivo.

Quando um general em tempo de guerra lamenta danos colaterais, em pose justificativa, quer dizer que houve vítimas civis inocentes e indefesas.

Quando economistas afirmam que uma certa variável já foi descontada pelos agentes económicos, em pose sofisticada, querem dizer que previram mal e tarde.

Quando alguém começa uma frase com a expressão "é evidente" ou "é indiscutível", em pose infalível, deve entender-se que não é evidente e é discutível.

Quando uma revista cor-de-rosa glorifica algumas famosas e indestrutíveis uniões, em pose deleitosa, está a anunciar umas pré-desuniões.

Quando recebemos em catadupa cartões, SMS e mails de Boas Festas, em jeito de atacado, deve recordar-se o que vale um singelo "bom-dia" olhos nos olhos.

Quando nas cimeiras da NATO se fala do Afeganistão, em pose de união, deve interpretar-se nas entrelinhas que se trata do Paquistão.

Quando se ouvirem expressões como"implementar", "geometria variável", "problemática", "integracional", "multifocal" ou "societal" e outras que tais, em pose doutrinal, quer dizer que nada se quer dizer.

Quando se invoca por regra a excepção, em pose evitável, toma-se a regra, por excepção.

Quando alguns abusam do uso da expressão "palavra de honra", em pose certificatória, deve imaginar-se que a honra está pelas ruas da amargura.

Eis alguns exemplos da (falta de) autenticidade que urbe et orbi grassa. Há quem lhe chame "linguagem politicamente correcta". Na sua formulação superlativa, creio. Nesta altura lembro-me do que um dia disse, com o seu corrosivo sarcasmo, Oscar Wilde: "Se disseres a verdade, vais ver que mais tarde ou mais cedo vais ser descoberto."

O coração da vida social e política deixou de ser a coerência entre o ser, o pensar, o dizer e, sobretudo, o fazer e passou a ser a "ditadura do parecer" e a retórica da omissão ou da ocultação.
António Bagão Félix
Fonte: aqui

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Choque laboral

Defende ou não a liberalização total do mercado de trabalho?

Veja a posição de José António Saraiva, os argumentos que apresenta...

"Há muito que defendo a liberalização total do mercado de trabalho.
E não o faço em nome dos interesses dos patrões: faço-o em nome dos interesses de Portugal e, também, dos interesses dos trabalhadores.

As razões são muitas e todas coincidentes:

1 - A flexibilização do mercado de trabalho facilitará o acesso dos jovens ao primeiro emprego. Hoje, muitos jovens, licenciados e não licenciados, chegam aos 35 ou 40 anos sem nunca terem tido um emprego certo. São pagos a recibos verdes e fazem estágios mal remunerados ou não remunerados e pós-graduações para ocupar o tempo. Esta situação não é sustentável e compromete o futuro.

2 - A flexibilização do mercado de trabalho atenuará os problemas dos que ficam prematuramente desempregados. Hoje, quem cai no desemprego depois dos 40/45 anos dificilmente consegue voltar a empregar-se. Ninguém o aceita. Se se liberalizar o mercado de trabalho, as empresas resistirão menos a contratar estas pessoas, pois poderão dispensá-las caso não funcionem ou não se adaptem.

3 - A flexibilização do mercado de trabalho promoverá o emprego. Hoje, qualquer empresário pensa 30 vezes antes de admitir alguém. Ora, havendo facilidade em despedir, haverá muito menos receio em contratar.

4 - A flexibilização do mercado de trabalho contribuirá para atrair mais investimento, designadamente estrangeiro, criando mais postos de trabalho (sobretudo se for conjugada com boas condições fiscais).

5 - A flexibilização do mercado de trabalho evitará situações de infelicidade e desajustamento.

Hoje, muitas pessoas descontentes com o que fazem (ou que se sentem indesejadas na empresa onde trabalham) acabam por ficar uma vida inteira agarradas ao seu posto de trabalho, dado não terem alternativas. Havendo mais flexibilidade haverá mais rotação e, portanto, abrir-se-ão mais oportunidades.

6 - A flexibilização do mercado de trabalho permitirá uma melhor adequação da mão-de-obra às necessidades das empresas. Aumentando a mobilidade, as empresas encontrarão mais facilmente as pessoas indicadas para cumprir as diversas funções.

7 - A flexibilização do mercado de trabalho estimulará a economia, permitindo às empresas adaptarem permanentemente os seus quadros às flutuações do mercado.

8 - A flexibilização do mercado de trabalho combaterá o laxismo, o absentismo, a incompetência e a mandriice.

E a quem não interessa a flexibilização do mercado laboral?

1 - Aos que estão bem empregados e têm legitimamente medo de perder o emprego (e são muitos).

2 - Aos que têm um emprego de favor.

3 - Aos que ocupam postos de trabalho artificiais.

4 - Aos incompetentes, aos absentistas e, em geral, a todos aqueles que não querem esforçar-se muito mas querem ter um ordenado certo.

Os sindicatos repisam a ideia de que a liberalização do mercado de trabalho acarretará despedimentos em massa. Ora sucederá o contrário: espevitará o emprego, visto que a admissão de novos trabalhadores implicará menos riscos.

A esquerda entende que o objectivo secreto das empresas é despedir os trabalhadores. Ora o objectivo é empregar trabalhadores, pois é da mais-valia criada por cada trabalhador que a empresa retira os lucros.

Pela mesma razão, nenhum patrão quer despedir um bom trabalhador.

Mas também não pode honestamente obrigar-se uma empresa a manter um empregado que não deseja. O que sentiria o leitor se fosse proibido de dispensar uma empregada doméstica da qual não gostasse, tendo de continuar a pagar-lhe o ordenado?

Creio que todos os governos já se convenceram de que a liberalização do mercado de trabalho é indispensável para o progresso do país - e só ainda não a levaram por diante com medo das centrais sindicais e receio de perderem muitos votos.

Mas isto terá algum dia de ser feito - e quanto mais se esperar pior: andaremos sempre a correr atrás do problema sem nunca o resolver totalmente. O país precisa de um choque. E terá de ser como deixar de fumar: reduzir os cigarros um a um não resolve nada, é preciso cortar de uma vez.

Última observação: Como em tudo na vida, também neste tema dos despedimentos é necessário acautelar os abusos. Há maus patrões, como há maus trabalhadores. Por isso, há que precaver as injustiças. Neste sentido, devem penalizar-se severamente despedimentos por:

- Resistência a assédio sexual;

- Embirrações pessoais dos patrões ou das chefias;

- Motivos políticos.

Fora disto (e doutras situações manifestamente injustas que possam tipificar-se), o despedimento e a contratação devem ser totalmente livres
jas@sol.pt

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Tornado: Prejuízos avaliados em 15 milhões de euros


Um tornado é um pequeno, porém intenso, redemoinho de vento, formado por um centro de baixa pressão durante tempestades. Se o redemoinho chega a alcançar o chão, a repentina queda na pressão atmosférica e os ventos de alta velocidade (que podem alcançar mais de 500 km/h) fazem com que o tornado destrua quase tudo o que encontrar no meio de seu caminho.

Prejuízos avaliados em 15 milhões de euros
O ministro da Administração Interna Rui Pereira anunciou hoje, depois de uma reunião do Conselho de Ministros, que vão ser accionados vários apoios às populações de Tomar, Ferreira do Zêzere e da Sertã afectadas pelo tornado de terça-feira. Os prejuízos estão avaliados em cerca de 15 milhões de euros.
"Vai ser accionado o fundo de emergência municipal e facilitado o acesso ao crédito bonificado para empresas", anunciou Rui Pereira. Para as explorações agrícolas afectadas, o ministro assegurou que "vão ser accionadas as verbas do PRODER" (Programa de Desenvolvimento Rural).

Por outro lado, vão ser dados "subsídios para recuperação de equipamentos sociais" e criada uma "conta de emergência" para fazer face aos prejuízos sentidos por pessoas singulares. Para gerir estes apoios vai ser criada uma estrutura de coordenação e apoio, disse ainda o ministro.
Fontes: aqui e aqui

Ainda segundo o Correio da Manhã, Rui Pereira Questionado pelos jornalistas sobre a razão pela qual, dois anos e meio depois da localidade de Amiais de Baixo, em Santarém, ter sido afectada por um tornado, e as ajudas prometidas ainda não terem sido pagas, desculpou-se com a "morosidade do processo". E garantiu que os dois milhões de euros em atraso "vão ser pagas".

Pois é! Dois anos e meio é muito tempo para quem perde todo o esforço de uma vida nos breves segundo da duração do tornado!
Esperamos agora que as povoações afectadas de Tomar, Ferreira do Zêzere e da Sertã não fiquem dois anos e meio à espera das ajudas. Para sofrimento já chega o que aquela gente está a passar . Só quem não viu nas televisões as marcas de dor daquelas pessoas pode ficar indiferente.
Que a safada burocracia estatal não retarde o que é urgente.
Que a União Europeia seja sensibilizada para esta grave ocorrência.
Que as Câmaras locais doem a estes cidadãos o melhor do seu esforço e empenhamento activo.
Que Portugal se mexa.

Treze (13) motoristas para o gabinete do primeiro-ministro!

Bom, vejam isto...

Despacho n.º 8346/2010. D.R. n.º 96, Série II de 20100518

Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita à empresa Deloitte & Touche, Lda., António José Oliveira Figueira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8347/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita à Associação dos Bombeiros Voluntários de Colares Rui Manuel Alves Pereira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8348/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita ao Sindicato dos Trabalhadores de Escritório, Comércio, Hotelaria e Serviços Vítor Manuel Gomes Martins Marques Ferreira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8349/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Augusto Lopes de Andrade para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8350/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita à empresa Companhia Carris de Ferro de Lisboa, S. A.,Arnaldo de Oliveira Ferreira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8351/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o assistente operacional Jorge Martins Morais da Secretaria-Geral do Ministério da Cultura, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8352/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o assistente operacional Jorge Orlando Duarte Vouga do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I. P., para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8353/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Jorge Henrique dos Santos Teixeira da Cunha para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8354/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa a agente principal da Polícia de Segurança Pública Liliana de Brito para exercer funções de apoio administrativo no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8355/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública José Duarte Barroca Delgado para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8356/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Manuel Benjamim Pereira Martinho para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8357/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Horácio Paulo Pereira Fernandes para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro
· Despacho n.º 8358/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Custódio Brissos Pinto para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Contaram bem? Treze (13) motoristas para o gabinete do primeiro-ministro! Será que o Sócrates quer montar uma firma de táxis?!Ou, o negócio é outro?! Eu só queria entender...

Resolução que proíbe excepções a cortes salariais aprovada

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira uma resolução que impõe para toda a administração pública os cortes salariais estabelecidos no Orçamento para 2011, definindo "a impossibilidade" de qualquer tipo de excepção.
In Correio da Manhã

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

OCDE destaca Portugal como exemplo de eficácia na Educação

Acompanhe aqui.

Faço minha a posição do comentador "Cadp Pedagógicas" que, se referiu assim à notícia:

"Estou siderado com a notícia. Professores com quase quarenta anos de serviço e que passaram por várias reformas educativas e curriculares, gostariam de saber que tipo de instrumentos de avaliação terão sido utilizados e qual a metodologia.
É estranho que tal notícia venha a público numa altura em que os problemas começam a emergir e o governo a necessitar de alguns apoios, quanto mais não seja para que se lhe reconheça através das estatísticas aquilo que na prática não ilude ninguém.
Devemos reconhecer que a Educação necessitava de alguma dinâmica, a qual vinha perdendo ao longo dos últimos anos por via de algumas modificações incipientes e sem sentido.
Mas devemos reconhecer que a maioria das alterações registadas nos últimos cinco anos alinharam essencialmente no domínio administrativo e criaram um verdadeiro programa de facilitismo que em nada abona o país, atingindo o seu “clímax” com as “Novas Oportunidades”.
Penso que a dignidade das coisas e das instituições começa a faltar aos mais variados níveis incluindo a nível internacional. É pena, pois assim para que uns poucos ganhem, na mentira, se de facto existir, perdemos todos no final."
Fonte: aqui

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A cada hora que passa há 26 acidentes de trabalho em Portugal

Nem todos são graves ou incapacitantes, mas a cada hora que passa há 26 acidentes de trabalho em Portugal. A média, registada no ano passado, dá conta de todas as situações em que foram activados seguros de trabalho e resulta de uma extrapolação feita pela Associação Portuguesa de Seguradoras, a partir dos dados de associadas que representam 92% do mercado. Em 2009 foram pagos 487 milhões de euros pelas seguradoras, na grande maioria a trabalhadores por conta de outrem – apenas 26 milhões a independentes.
O custo médio por acidente ronda os 1535 euros e tem subido todos os anos, apesar de o número absoluto de incidentes ter baixado 6,3% no ano passado. Doenças músculo-esqueléticas são as mais frequentes causadoras de incapacidades e baixas, enquanto as quedas são responsáveis por 41,1% dos acidentes mortais.
As dez principais causas de acidentes têm variado ligeiramente na última década, mas as quedas têm um lugar de destaque tanto na Europa como nos Estados Unidos. Reacções a produtos químicos e biológicos estão no quarto lugar da lista, seguindo-se acidentes rodoviários em trabalho.
In O Amigo do Povo

domingo, 5 de dezembro de 2010

ANEDOTAS

O bêbado

No Porto, um bêbado estava a passar pelo rio Douro, quando viu um grupo de evangélicos a orar e a cantar. Resolveu perguntar:
- O que se está a passar... hiiic... aqui?
- Estamos a fazer um batismo nas Águas. Você também deseja encontrar o Senhor?
- Hiiic... Eu quero, sim...
Os evangélicos vestiram o bêbado com uma roupa branca e levaram-no para a fila.
Numa margem do rio estava um pastor que pegava nos fieis, mergulhava a cabeça deles na água, depois tirava e perguntava:
- Irmão... viste Jesus?
- Ah, eu vi, sim...
E todos os evangélicos diziam:
- Aleluia! Aleluia!
Quando chegou a vez do bêbado, o pastor meteu-lhe a cabeça na água, depois tirou e perguntou-lhe:
- Irmão... viste Jesus?
- Num bi! - Disse o bêbado.
O pastor colocou novamente a cabeça do bêbado na água e deixou-a lá um certo tempo. Depois tirou-a e perguntou:
- E agora, irmão... viu Jesus?
O bêbado já bastante ofegante, lá disse:
- Num bi carago!
O pastor, já nervoso, colocou de novo a cabeça do bêbado debaixo de água e deixou-a lá por uns cinco minutos. Depois puxou o bêbado e perguntou-lhe:
- E agora, irmão... já conseguiste ver Jesus?
O bêbado, já mole e trôpego de tanta água engolir, disse:
- Bolas , já disse que num bi caraaago! Bocês têm a certeza de que ele caiu aqui????... Num estará no estádio da Luz a treinar o Benfica ? ...

SEM PRESENTE DE NATAL

Deus chamou o André Vilas Boas e disse-lhe:
- Este ano não vais ter presentes de Natal.
- Mas porquê meu Deus, o que fiz de errado para merecer esse castigo?
- Humilhaste Jesus.

Políticos e famosos numa faceta muito engraçada!!!

video

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Instale idosos nas prisões e os infractores em lares

Assim, nossos idosos têm acesso a um chuveiro, passeios, medicamentos, exames odontológicos e médicos regulares.
Receber cadeiras de rodas, etc
Receber o dinheiro em vez de pagar o seu alojamento.
Teria direito a vídeo vigilância contínua, que permite imediatamente receber assistência depois de uma queda ou outra emergência.

Limpeza do quarto, pelo menos duas vezes por semana, roupas lavadas e passadas regularmente.
Um guarda visita a cada 20 minutos e podem receber refeições directamente no seu quarto.
Ter um lugar especial para atender a família.

Ter acesso a uma biblioteca, sala de ginástica, fisioterapia e espiritual, bem como a piscina e até mesmo ensino gratuito.
Pijamas, sapatos, chinelos e assistência jurídica gratuita, mediante pedido.
Quarto, casa de banho e segurança para todos, com um pátio de exercícios, rodeado por um belo jardim.

Cada idoso teria direito a um computador, rádio, televisão.
Teria um "conselho" para ouvir denúncias e, além disso, os guardas terão um código de conduta a ser respeitado!

Agora vem o pensamento:
Politicamente é correcto dar condições de existência a todos, mesmo aos reclusos.
Agora, o que não é admissível é a inversão dos valores em que se assiste à defesa dos mais fortes contra o desleixo dos que não se conseguem defender, como é o caso dos idosos e doentes.

Além do mais, é imoral que a sociedade se preocupe mais com aqueles que a não respeitam, que a atacam a cada dia e que a subvertem.

Que tal se sentem os que passaram uma vida a trabalhar para receberem umas migalhas em troca na sua velhice e sejam atacados directamente por aqueles a quem têm de sustentar???

A vida não é justa... mas não é necessário exagerar …

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A NOVA LÍNGUA PORTUGUESA

Desde que os americanos se lembraram de começar a chamar aos pretos 'afro-americanos', com vista a acabar com as raças por via gramatical, isto tem sido um fartote pegado!
As criadas dos anos 70 passaram a 'empregadas domésticas' e preparam-se agora para receber a menção de 'auxiliares de apoio doméstico' .
De igual modo, extinguiram-se nas escolas os 'contínuos' que passaram todos a 'auxiliares da acção educativa'.
Os vendedores de medicamentos, com alguma prosápia, tratam-se por 'delegados de informação médica'.
E pelo mesmo processo transmudaram-se os caixeiros-viajantes em 'técnicos de vendas '.
O aborto eufemizou-se em 'interrupção voluntária da gravidez';
Os gangs étnicos são 'grupos de jovens'
Os operários fizeram-se de repente 'colaboradores';
As fábricas, essas, vistas de dentro são 'unidades produtivas'e vistas da estranja são 'centros de decisão nacionais'.
O analfabetismo desapareceu da crosta portuguesa, cedendo o passo à 'iliteracia' galopante.
Desapareceram dos comboios as 1.ª e 2.ª classes, para não ferir a susceptibilidade social das massas hierarquizadas, mas por imperscrutáveis necessidades de tesouraria continuam a cobrar-se preços distintos nas classes 'Conforto' e 'Turística'.
A Ágata, rainha do pimba, cantava chorosa: «Sou mãe solteira...» ; agora, se quiser acompanhar os novos tempos, deve alterar a letra da pungente melodia: «Tenho uma família monoparental...» - eis o novo verso da cançoneta, se quiser fazer jus à modernidade impante.
Aquietadas pela televisão, já se não vêem por aí aos pinotes crianças irrequietas e «terroristas»; diz-se modernamente que têm um 'comportamento disfuncional hiperactivo'
Do mesmo modo, e para felicidade dos 'encarregados de educação' , os brilhantes programas escolares extinguiram os alunos cábulas; tais estudantes serão, quando muito, 'crianças de desenvolvimento instável'.
Ainda há cegos, infelizmente. Mas como a palavra fosse considerada desagradável e até aviltante, quem não vê é considerado 'invisual'. (O termo é gramaticalmente impróprio, como impróprio seria chamar inauditivos aos surdos - mas o 'politicamente correcto' marimba-se para as regras gramaticais...)
As prostitutas passaram a ser 'senhoras de alterne'.
Para compor o ramalhete e se darem ares, as gentes cultas da praça desbocam-se em 'implementações', 'posturas pró-activas', 'políticas fracturantes' e outros barbarismos da linguagem.
E assim linguajamos o Português, vagueando perdidos entre a «correcção política» e o novo-riquismo linguístico.
Estamos lixados com este 'novo português'; não admira que o pessoal tenha cada vez mais esgotamentos e stress. Já não se diz o que se pensa, tem de se pensar o que se diz de forma 'politicamente correcta'.


E falta ainda esclarecer que os tradicionais "anões" estão em vias de passar a "cidadãos verticalmente desfavorecidos"...
Os idiotas e imbecis passam a designar-se por "indivíduos com atitude não vinculativa"
Os pretos passaram a ser pessoas de cor.
O mongolismo passou a designar-se síndroma do cromossoma 21.
Os gordos e os magros passaram a ser pessoas com disfunção alimentar.
Os mentirosos passam a ser "pessoas com muita imaginação"
Os que fazem desfalques nas empresas e são descobertos são "pessoas com grande visão empresarial mas que estão rodeados de invejosos"
Para autarcas e políticos, afirmar que "eu tenho impunidade judicial", foi substituído por "estar de consciência tranquila".
O conceito de corrupção organizada foi substituído pela palavra "sistema".
Difícil, dramático, desastroso, congestionado, problemático, etc., passou a ser sinónimo de complicado.
(Enviado por email)

terça-feira, 30 de novembro de 2010

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Monovolumes !? Para quê !?


MONOVOLUME CHINÊS QUE VAI SER EXPORTADO PARA OS PAISES A QUEM A CHINA COMPROU DIVIDA PUBLICA.

OBRIGADO, SENHOR PRIMEIRO MINISTRO

Barcelona deu uma “lição” de futebol ao Real Madrid e goleou o rival por 5-0

O FC Barcelona deu uma “lição” de futebol ao Real Madrid e goleou o rival por 5-0, assumindo a liderança da Liga espanhola, naquela que é a pior derrota da carreira do português José Mourinho.

No "clássico dos clássicos", os catalães foram claramente superiores e não deram qualquer hipótese ao rival de Madrid, que esteve uma “sombra” do que já demonstrou esta temporada, muito devido aos 67 por cento de posse de bola com que a formação de Pep Guardiola terminou o encontro.

Em Camp Nou, o FC Barcelona, bicampeão espanhol, não só “ofereceu” a primeira derrota da época ao Real Madrid, mas também deixou uma marca bem grande na história do autoproclamado melhor treinador do Mundo, José Mourinho, que, nos festejos de uma década de carreira, sofreu o seu desaire mais pesado.

Com este resultado, Guardiola mantém-se 100 por cento vitorioso frente ao principal rival (cinco triunfos em tantos jogos) e os catalães têm agora dois pontos de vantagem sobre o Real Madrid, que desceu ao segundo lugar na 13.ª jornada.

No dia que marca o 111.º aniversário do "Barça", Messi, Villa e Xavi estiveram simplesmente imparáveis e foi mesmo o médio espanhol que colocou a sua equipa na frente, logo aos seis minutos, com assistência de Iniesta.

O Real Madrid ainda respondeu por Di Maria, mas o lance só pareceu fortalecer o vendaval catalão, que, aos 18 minutos, fez o segundo, desta vez por Pedro.

Até final da primeira parte, no meio do festival de troca de bola do FC Barcelona, destaque apenas para um mini-confronto entre Cristiano Rolando e Pep Guardiola, com o português a empurrar o técnico do FC Barcelona.

No regresso dos balneários, Mourinho lançou o médio defensivo Diarra para o lugar do criativo Ozil, mas o "furacão" catalão foi aumentando e, em apenas três minutos, a equipa de Guardiola dobrou a vantagem no marcador, por Villa.

O avançado espanhol fez o gosto do pé aos 55 e 58 minutos, sempre no frente-a-frente com Casillas, e sempre com a preciosa assistência de Messi.

O português Ricardo Carvalho, que foi titular com Pepe e com um “fantasma” chamado Cristiano Ronaldo, ainda se salvou ao cartão vermelho direto, quando cortou a bola com a mão num lance em que Pedro ficaria isolado, mas nada pôde fazer para impedir o quinto golo, e a confirmação da goleada, pelo suplente Jeffren, em tempo de descontos.

Nos últimos segundos, o defesa Sérgio Ramos viu ainda o cartão vermelho direto por agressão a Messi.

Fonte: aqui

Apertar o cinto é só para os outros...

Corta pensões aos reformados, baixa salários aos funcionários públicos, (como se eles fossem bem pagos - nem no tempo da ditadura baixaram salários), retira benefcios da saúde para obrigar os cidadãos a fazerem seguros de saúde e alimentar os poderosos grupos privados... etc... uma infinidade de violações sistematicas dos direitos dos cidadãos.

Ainda falavam no Santana Lopes porque tinha 39 assessores..... Sócrates tem 71, e o máximo permitido por lei são 40....

Veja AQUI e exerça o seu direito à indignação.

É bom que não percamos a memória histórica e que não esqueçamos os responsáveis por esta calamidade que há seis anos se abateu sobre Portugal, chamada Sócrates.

- Durão Barroso, que 'fugiu' para Bruxelas;

- Jorge Sampaio que aceitou a 'fuga' do então primeiro-ministro e matreiramente conduziu as coisas em ordem a fazer regressar ao governo o seu partido;

-Os eleitores portugueses que por duas vezes elegeram este senhor.

Quem disse que a maioria tem sempre razão!? Nota-se agora...

EUA: Elefantes lavam carros dos turistas

Alice é um dos três elefantes africanos do Safari Vida Selvagem em Winston, Oregon. Os elefantes entretêm os turistas com as suas habilidades de lavar carros. Segundo os jornais locais, o parque já recebeu turistas vindos de propósito da Índia e de Inglaterra para verem os elefantes.

Segundo o jornal local americano, kpic, as visitas ao Safari aumentaram. Dan VanSlyke, director executivo, disse que os animais causaram um grande sucesso: "as pessoas adoram vir e divertir-se". Segundo Dan, tudo começou por os elefantes "adorarem brincar com a água."

Já existem turistas a vir da Índia e de Inglaterra de propósito para verem os seus carros serem lavados pelos elefantes.

Carol Matthews, a supervisora de um dos elefantes contou ao jornal local que os elefantes “chamam definitivamente a atenção das pessoas para o parque.”

"De facto, temos pessoas que voltaram vezes sem conta ao parque porque tiveram de trazer os amigos e os familiares", acrescentou Carol Matthews.
In Correio da Manhã

video

sábado, 27 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Causa da crise é fosso entre ricos e pobres - FMI


O aumento discrepância entre ricos e pobres é a verdadeira causa da crise financeira actual e da Grande Depressão dos anos 30, avança o jornal i, que cita um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI).
De acordo com as conclusões dos técnicos do FMI, há uma relação de causa e efeito entre uma maior desigualdade na distribuição de rendimentos e a criação de condições para o aparecimento de uma crise financeira, escreve o i.

Os economistas do FMI Michael Kumhof e Romain Rancière explicam que ambas as crises se seguiram a vários factores, tais como o aumento da percentagem de rendimento detida pela fatia mais rica da população, bem como o aumento do recurso ao crédito por parte do resto da população, escreve o i.

Este estudo baseou-se na economia norte-americana mas pode ser aplicado a vários países desenvolvidos. Segundo dados do Eurostat, Portugal é o segundo país da zona euro com maior desigualdade na distribuição de rendimento entre os 20% mais ricos e 20% mais pobres, apenas ultrapassado por Espanha.

In Sol

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Por que razão não se reforma o Estado?

Em vez de encharcar os cidadãos com medidas pesadas e sufocantes, por que razão não se reforma o Estado? A poupança seria enorme e contribuiria para aliviar bastante os sobrecarregados e asfixiados cidadãos deste país. Proponho aqui algumas. Apenas algumas.

  • Redução do número de deputados na Assembleia da República e seus gabinetes;
  • Reformas das mordomias da Assembleia da República;
  • Acabar com os milhares de Institutos publicos que não servem para nada;
  • Acabar com as Empresas Municipais e seus administradores;
  • Redução drástica das Câmaras Municipais e Assembleias;
  • Redução drástica das Juntas de Freguesia;
  • Acabar com o pagamento de 200 € por presença na reunião de Câmara e de 75 € nas reuniões da Junta de Freguesia;
  • Acabar com a distribuição de carros a Presidentes e Assessores das Camaras e Juntas;
  • Acabar com motoristas particulares 20h por dia;
  • Acabar com a renovação sistemática da frota dos carros do estado;
  • Colocar chapas de identioficação em todos os carros do estado;
  • Acabar com o vaivém dos Deputados dos Açores e Madeira e respectiva estadia em hoteis de luxo;
  • Controlar o pessoal da Função Pública e o trabalho que faz;
  • Acabar com os milhares pareceres juridicos;
  • Acabar com os Governos Civis;
  • Penalizar forte e progressivamente as reformas acima dos 1500 euros;
  • Acabar com as Bolsas de Estudo aos alunos universitários repetentes;
  • Estabelecer um tecto no ordenado dos gestores de modo a acabar com o escândalo de remunerações astronómicas;
  • Actuar de forma decidida em relação aos offshores, às mais valias e aos bancos.
    E por aí fora

Marca que não dá assistência... Abre espaço à concorrência.

O marido está em casa a ver um jogo de futebol, quando a mulher sai e volta logo a seguir, dizendo-lhe:

- Querido, podes arranjar o meu carro? Ele parou de funcionar assim que saiu da garagem...

- Consertar o teu carro? Estás a ver Fiat escrito na minha testa?

A mulher volta à carga:

- Então podes arranjar a porta do frigorífico? Ela não está a fechar bem...

E ele respondeu:

- Arranjar a porta do frigorífico? Estás a ver Siemens escrito na minha testa?

- Está bem - disse ela. Então podes pelo menos trocar a lâmpada da porta da frente? Ela está queimada há semanas.

E o marido:

- Trocar a lâmpada da porta da frente? Estás a ver Philipps escrito na minha testa? Eu não te aguento mais! Vou para o bar beber umas cervejas!

Assim fez e bebeu durante algumas horas. Entretanto, começou a sentir-se culpado pela forma como tinha tratado a mulher e decidiu voltar para casa e ajudá-la. Ao chegar a casa viu que o carro já estava na garagem e a luz da porta de entrada já funcionava.

Dirigiu-se ao frigorífico em busca de uma cerveja e percebeu que a porta do mesmo também tinha sido arranjada.

- Querida - perguntou ele - como é que todas estas coisas foram arranjadas?

E ela respondeu:

- Bem, quando tu saíste, eu sentei-me lá fora e estava a chorar. Então, apareceu um jovem muito simpático, que me perguntou o que é que me tinha acontecido e eu contei-lhe. Ele ofereceu-se para arranjar tudo, e eu só tinha que escolher entre ir para a cama com ele ou fazer-lhe um bolo.

O marido disse:

- Então, que tipo de bolo é que lhe fizeste, meu amor?

Ao que ela respondeu:

- Helloooooooo! Tu estás a ver 'DANCAKE' escrito na minha testa?

Moral da história:
Marca que não dá assistência...
Abre espaço à concorrência.

Vamos lá animar a crise com Lady Gaga

Greve geral no Estado

A greve de hoje poderá ser quase geral na Função Pública e nas empresas do Estado. No sector privado, por muito zangados que estejam os trabalhadores, a adesão deverá ser bastante menor.

Para o poder político, a Função Pública é apenas uma máquina na qual se colocam os ‘boys’ em cargos de chefia ou em prateleiras douradas

A Função Pública tem razão em estar zangada. O Governo, na apresentação do PEC III, ao anunciar os cortes nos salários, acabou por estigmatizar os trabalhadores do Estado, considerando-os praticamente culpados pela despesa excessiva.
O que não é verdade. Basta ver a execução orçamental dos dez primeiros meses de 2010. Apesar da subida das receitas, para a qual contribuiu o IVA, o imposto sobre veículos e o tabaco, o défice aumentou 245 milhões e já atinge 11,8 mil milhões de euros. A despesa com pessoal é de cerca de 9 mil milhões, enquanto a despesa total ultrapassa 40,8 mil milhões. O ataque à Função Pública até contribuiu para o aumento de despesa. O Estado gasta, actualmente, centenas de milhões com estudos e pareceres técnicos. Escritórios de advogados, gabinetes de engenharia, com salários muito mais altos do que no Estado, ganham fortunas, com serviços que o próprio Estado poderia fazer com custos mais baixos. O corpo de elite de juristas, economistas e engenheiros da Função Pública foi secundarizado. Para o poder político, a Função Pública é apenas uma máquina na qual se colocam os ‘boys’ em cargos de chefia ou em prateleiras douradas. Mas estes ‘tachos’ não são a Função Pública.

Armando Esteves Pereira, Correio da Manhã

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Visitando o mundo da família

39 mulheres assassinadas em 2010
Este ano, já foram assassinadas 39 mulheres vítimas de violência doméstica e de género, revelou esta segunda-feira o Observatório das Mulheres Assassinadas da UMAR. São mais dez casos do quem em 2009.
Também as tentativas de homicídio subiram para 37, tendo sido 28 no ano anterior, afirmou Maria José Magalhães, sublinhando que os dados são provisórios.

Face a estes números, a dirigente da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) reiterou a necessidade de reforçar as medidas de polícia, avaliação de risco e aplicação de medidas de coacção, no sentido de melhor preservar a segurança e proteçcão das vítimas.

Da análise efetuada pelo Observatório de Mulheres Assassinadas verifica-se que, na maioria das situações, existiam antecedentes relativamente ao crime de violência doméstica, registando-se mesmo processos-crime em curso. Contudo, sustentou, "o sistema não se mostrou eficaz" para evitar que estes casos se tornassem "fatais ou quase fatais".

O relatório do Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA) revela ainda que 64% do total de vítimas foram assassinadas às mãos daqueles com quem ainda mantinham uma relação, seguindo-se o grupo daqueles de quem elas já se tinham separado, ou mesmo obtido o divórcio (20%).

Além das 39 mulheres vítimas mortais até agora registadas, foram também assassinadas mais onze pessoas (descendentes e outros familiares), perfazendo um total de 50, refere o mesmo documento.

Famílias depositam menos 1450 milhões num único mês
As famílias portuguesas estão a colocar menos dinheiro nos bancos. O valor depositado pelos particulares desceu 1450 milhões de euros entre Agosto e Setembro para 116, 8 mil milhões de euros, de acordo com os dados divulgados pelo Banco de Portugal.
Apesar de as instituições financeiras estarem a oferecer taxas de juro mais atractivas, os depósitos das famílias estão cada vez mais afastados do máximo histórico atingido em Julho (119,2 mil milhões de euros).

Em Agosto, os depósitos de particulares tinham sido totalizado os 118,3 mil milhões, o que significa que no mês seguinte recuaram 1,23%.

Já o valor do crédito concedido às famílias aumentou 314 milhões de euros de Agosto para Setembro. Os empréstimos concedidos às famílias aumentaram para os 140.972 milhões de euros, face aos 140.658 milhões de euros registados em Agosto.

Nos empréstimos para habitação, o crédito malparado desceu 14 milhões de euros em Setembro, para os 1943 milhões de euros e, no crédito para outros fins, a cobrança duvidosa caiu oito milhões de euros para 918 milhões de euros.

Pelo contrário, no crédito ao consumo, o malparado cresceu 26 milhões em Setembro para os 1258 milhões de euros.

Fonte: Correio da Manhã