quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O que é a gripe?


Por vezes as pessoas confundem uma constipação com a gripe: ambas as doenças causam-nos um mal estar semelhante. No entanto, são causadas por vírus diferentes.
Depois de um período de incubação do vírus da gripe de cerca de dois dias, há um começo súbito de arrepios, por vezes com um resfriado; dores de cabeça; fraqueza e fadiga; dores dos músculos e articulações; dores de garganta; e uma tosse seca, dolorosa. No início da doença, pode haver vómitos e uma aversão à luz e ruído. Inicialmente, a temperatura do corpo pode aumentar para cerca de 40° C, caindo para entre 38° C e 39° C durante dois ou três dias, fixando-se depois entre 37,5° C e 38° C.
Pode a gripe ter quaisquer complicações? Sim. A gripe pode diminuir a resistência do corpo à infecção. Isto torna o paciente vulnerável à invasão de outros organismos que podem provocar infecções secundárias,
A gripe é considerada uma doença muito perigosa para as crianças muito novas, para os idosos e para os que sofrem de doenças crónicas do coração ou dos pulmões, uma vez que existem complicações graves que podem resultar da gripe, como a pneumonia e a insuficiência cardíaca congestiva, sendo estas em alguns casos fatais.

Tratamento
• Ir para a cama, para evitar complicações.

• Beber muitos líquidos.

• Tomar antipiréticos.

• Ir ao médico, se os sintomas se agravarem.
 
Fonte: aqui

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Frases interessantes

Procure ser um homem de valor, em vez de procurar ser um homem de sucesso.
A Einstein

Quem abre uma escola fecha uma prisão.
Victor Hugo


Recomende aos seus filhos moralidade; somente isso, e não dinheiro, poderá fazê-los felizes.
Beethoven


Quem decide um caso sem ouvir a outra parte não pode ser considerado justo, ainda que decida com justiça.
Séneca


Será a morte o único sono? Não, é o despertar definitivo.
Scott


Quando se quer bem a uma pessoa, sua presença conforta. Só a presença, não é necessário mais nada.
Graciliano Ramos

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Renovação da Igreja pela supressão do burro

Este texto veio no "Correio da Manhã" de sábado.
Fonte: aqui

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Violência doméstica regista números negros


Mais de 76 mil mulheres vítimas de violência recorreram à APAV entre 2000 e 2011 tendo sido feitas este ano, até Setembro, 20.125 denúncias às autoridades policiais. É com estas cifras negras como pano de fundo que o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres é assinalado com várias iniciativas.
Para assinalar a data, no dia 25, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) vai lançar uma campanha de sensibilização sobre violência contra mulheres. Segundo informação da APAV, a campanha inclui dois retractos de mulheres vítimas de violência doméstica, as quais apresentam marcas de vitimização.
"Estas mulheres estão vestidas de noiva, segurando ramos de flores e ostentam um anel de noivado e aliança de casamento. Acompanha-as a frase 'Até que a morte nos separe', a qual remete para a existência de um crescente número de mulheres vítimas de violência doméstica que são assassinadas pelos seus maridos ou companheiros conjugais", explica a associação em comunicado.
Segundo as estatísticas da APAV, entre 2000 e 2011, 76.582 vítimas recorreram à associação, tendo-se registado o maior número de vítimas em 2002, com 7.543 casos. Ao longo destes onze anos, as mulheres têm vindo a representar a maior percentagem de vítimas, atingindo o valor máximo em 2002, com 6.958 casos. No total das 76.582 vítimas, 68.751 eram mulheres, ou seja, 89,7%.
Já em relação ao autor do crime, maioritariamente são homens em todos os anos em análise, contabilizando-se um total de 68.770 homens como autores do crime para os 76.582 casos reportados de violência doméstica, o que corresponde a 89,8% dos casos. Entre vítima e agressor, a maioria (39.352 casos) tem uma relação conjugal.
Para além da campanha da APAV, a Comissão para a Igualdade de Género (CIG) apresenta hoje a campanha nacional de sensibilização contra a violência doméstica, com a presença do ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas.
A "Rede 8 de Março" promove, por seu lado, o fim-de-semana pelo fim da violência doméstica contra as mulheres, que termina com a realização da II Marcha no dia 25, com ponto de encontro no Largo Camões, em Lisboa, às 15:00, seguindo depois para o Largo do Martim Moniz. No final da marcha será lido um manifesto e depois terá lugar um espectáculo com Orchidaceae, a companhia de teatro O Bando e a 'dj' Soulflow.
No dia 24 serão apresentados os mais recentes dados estatísticos do Observatório das Mulheres Assassinadas, às 11h00, no jardim frente à Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa. Neste dia haverá também teatro de rua e um workshop de defesa pessoal, às 18h00, no espaço cultural da Associação MOB, no Bairro Alto, para além de um espectáculo contra a violência, no qual participa a cantora Rita Redshoes.
Os dados mais recentes da Direcção-Geral da Administração Interna mostram um decréscimo de 7,2% no número de denúncias feitas às autoridades policiais entre 2010 e 2011, registando-se o ano passado um total de 28.980 participações divididas entre 11.485 denúncias feitas à GNR e 17.495 feitas à PSP.
A tendência de decréscimo mantém-se nos primeiros nove meses de 2012, havendo uma quebra no número de ocorrências de 10,9% relativamente ao mesmo período do ano passado, registando-se até final de Setembro 20.125 denúncias.
Tendência verificada igualmente junto da APAV que registou entre 2010 e 2011 um decréscimo no número de pedidos de ajuda feitos à associação, passando de 6.920 casos em 2010 para 6.737 em 2011.
Fonte: aqui

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Papa afasta burro e vaca, diz o "Correio da Manhã" na capa

O "Correio da Manhã" de hoje até lançou um inquérito sobre o assunto. Lá se vai o "mito do presépio". Papa racionalista e iconoclasta. Faltou-lhes perguntar a opinião às organizações dos direitos dos animais.
Fonte: aqui

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

a gaivota e o gato

video

A equinácea

Originária da América do Norte, a equinácea é uma das plantas medicinais mais populares nos Estados Unidos, sendo usada na prevenção e cura das constipações vulgares, gripes e outras infecções. O efeito mais importante relacionado com o extracto da Equinácea é a estimulação da fagocitose, fenómeno responsável pela detecção, englobamento e eliminação de organismos invasores do nosso corpo, efectuado pelos glóbulos brancos e pelos linfócitos em geral. A Equinácea provoca um aumento no número das células imunitárias, aumentando o poder de resposta do nosso sistema imunitário a qualquer infecção ou factor tóxico.
A Equinácea provoca um aumento no número das células imunitárias, aumentando o poder de resposta do nosso sistema imunitário a qualquer infecção ou factor tóxico.
Esta erva é usada medicinalmente, internamente para doenças de pele, infecções por fungos, septicemia, gangrena, furúnculos, abscessos, feridas de difícil cura, infecções da área respiratória superior e doenças venéreas.
Vários investigadores reclamam novas potencialidades desta planta após vários estudos em laboratório e ensaios clínicos com doentes. Referem a sua potencialidade na resistência imunitária com base em mais de 350 estudos realizados ao longo de 50 anos.
Existem no mercado produtos que são suplementos para o sistema imunitário. Mas, tal como as outras plantas medicinais, não deve ser utilizada em condições graves, como a tuberculose, esclerose múltipla ou VIH/Sida.
Fonte: aqui

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

domingo, 18 de novembro de 2012

O grão de bico e a saúde


Esta leguminosa contém muito triptofano, um aminoácido essencial para a produção da serotonina a substância que traz sensações agradáveis, a mesma substância que faz do chocolate uma óptima fonte de bem-estar. Por tal motivo o grão de bico é recomendado a pessoas tristes ou com depressões. Para além disso, regula o intestino, pois é rico em fibras.
Por outro lado, tem 30% de proteínas, além de zinco, potássio, cálcio e magnésio. Se consumido todos os dias, reduz o nível de colesterol ruim. O grão-de-bico contém hormónios vegetais usados na reposição hormonal. Essas substâncias são eficazes na prevenção da osteoporose e no combate a doenças do coração e cancro de cólon. É recomendado também a grávidas pois tem o ácido fólico que protege o embrião.
Este grão tem carboidratos que são digeridos e absorvidos lentamente. Por isso. ele aumenta a glicose aos poucos e reduz o nível de açúcar no sangue. Além disso, o ferro presente no alimento combate a anemia.
Ele ajuda também a emagrecer porque aumenta a sensação de saciedade.
Fonte: aqui

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Frases engraçadas


Eu não me preocupo com terrorismo. Eu fui casado por dois anos.
Sam Kiniso

A festa era tão longe da igreja que a noiva chegou grávida.
Marco Duailibi

O casamento é uma aliança entre duas pessoas, uma que nunca se lembra dos aniversários e outra que nunca se esquece.
Ogden Nash

Demoramos a nos casar. Ela se recusava a casar comigo enquanto eu estivesse bêbado e eu me recusava a casar com ela quando estava sóbrio.
Henry Youngman

Minha mulher fala tanto que fico rouco só de ouvi-la.
Henry Youngman

Casamento é como ir a um restaurante com os amigos. Você escolhe o que você quer comer e quando você olha a comida do amigo ao seu lado, você pensa que gostaria de ter pedido aquilo.
Anónimo

Se não fosse pelo casamento os homens passariam a vida toda sem conhecer seus próprios defeitos.
Anónimo

A vantagem de dever muito sobre dever pouco é que, quando devemos pouco, temos que ir ao banco. Quando devemos muito, o banco vem até nós.
Millôr Fernandes

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Inverno demográfico preocupa Igreja Católica



  O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse hoje em Fátima que a baixa taxa de natalidade no país coloca um problema de “sobrevivência” ao seu povo, pedindo mudanças políticas que favoreçam as famílias.

O padre Manuel Morujão comentava, em conferência de imprensa, os dados da Organização das Nações Unidas que indicam que em Portugal nascem apenas 1,3 filhos por cada mulher.

“Esses números são um alerta à consciência social de todos, particularmente de quem nos governa”,”, referiu.

O responsável destacou que este não é um “assunto marginal”, mas “um problema de subsistência, de sobrevivência, e de uma cultura altruísta que é preciso também implementar”.

“Se eu penso só no meu conforto e no meu bem-estar social, certamente irei na linha dessas políticas, que são de retrocesso, de andar ao contrário da história”, alertou o sacerdote jesuíta.

O porta-voz da CEP destacou as consequências deste inverno demográfico no próprio Estado Social.

“Os serviços de saúde, de previdência social colapsarão porque será um pequeno número de pessoas a trabalhar para uma imensa população que está já reformada”, observou.

Nesse sentido, o padre Manuel Morujão defendeu a necessidade de implementar medidas que “facilitem e não dificultem que os casais possam ter filhos, e não apenas um”.
In ecclesia

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Hollande. "É pela solidariedade e não pela austeridade” que se atingem objectivos do défice | iOnline

Hollande. "É pela solidariedade e não pela austeridade” que se atingem objectivos do défice | iOnline

Governo afirma que fusão das freguesias em nada mexe com a realidade dos trabalhadores locais | iOnline

Governo afirma que fusão das freguesias em nada mexe com a realidade dos trabalhadores locais | iOnline

Luiz Vaz sem tostões

As sarnas de barões todos inchados*
Eleitos pela plebe lusitana
Que agora se encontram instalados
Fazendo o que lhes dá na real gana
Nos seus poleiros bem engalanados,
Mais do que permite a decência humana,
Olvidam-se do quanto proclamaram
Em campanhas com que nos enganaram!
--

E também as jogadas habilidosas
Daqueles tais que foram dilatando
Contas bancárias ignominiosas,
Do Minho ao Algarve tudo devastando,
Guardam para si as coisas valiosas
Desprezam quem de fome vai chorando!
Gritando levarei, se tiver arte,
Esta falta de vergonha a toda a parte!

Falem da crise grega todo o ano!
E das aflições que à Europa deram;
Calem-se aqueles que por engano
Votaram no refugo que elegeram!
Que a mim mete-me nojo o peito ufano
De crápulas que só enriqueceram
Com a prática de trafulhice tanta
Que andarem à solta só me espanta.

E vós, ninfas do Mondego onde eu nado
Por quem sempre senti carinho ardente
Não me deixeis agora abandonado
E concedei engenho à minha mente,
De modo a que possa, convosco ao lado,
Desmascarar de forma eloquente
Aqueles que já têm no seu gene
A besta horrível do poder perene!

Luiz Vaz Sem Tostões
(Enviado por email)

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

C O N C O R D O

Governo pretende responsabilizar famílias que abandonem idosos em lares ou hospitais

 
O Governo pretende responsabilizar as famílias que abandonem os idosos nos hospitais ou nos lares e para isso vai pedir a ajuda às instituições de solidariedade social, uma medida incluída no protocolo assinado com o setor social.
Perante os deputados das Comissões de Orçamento, Finanças e Administração Pública e da Segurança Social, o ministro Pedro Mota Soares apontou que o país tem um problema social que não tem conseguido resolver, que sendo um problema «recente», o ministro entende que não resulta apenas «do difícil período financeiro» que o país atravessa.
O problema em causa, segundo o ministro, é o abandono de idosos nos hospitais, lares ou até na própria casa, e para o qual Mota Soares quer não só conhecer as causas, mas também encontrar soluções.

Fonte: aqui

Gerações à rasca

UM DIA ISTO, TINHA QUE ACONTECER video

sábado, 10 de novembro de 2012

Pontaria na condução...

video

A CULPA

A culpa é do pólen dos pinheiros
Dos juízes, padres e mineiros
Dos turistas que vagueiam nas ruas
Das 'strippers' que nunca se põem nuas
Da encefalopatia espongiforme bovina
Do Júlio de Matos, do João e da Catarina
A culpa é dos frangos que têm HN1
E dos pobres que já não têm nenhum
A culpa é das prostitutas que não pagam impostos
Que deviam ser pagos também pelos mortos
A culpa é dos reformados e desempregados
Cambada de malandros feios, excomungados,
A culpa é dos que têm uma vida sã
E da ociosa Eva que comeu a maçã.
A culpa é do Eusébio, que já não joga a bola,
E daqueles que não batem bem da tola.
A culpa é dos putos da casa Pia
Que mentem de noite e de dia.
A culpa é dos traidores que emigram
E dos patriotas que ficam e mendigam.
A culpa é do Partido Social Democrata
E de todos aqueles que usam gravata.
A culpa é do PS, do BE, do CDS e do PCP
E dos que não querem o TGV
A culpa até pode ser do urso que hiberna
Mas não será nunca de quem governa.


Pedro Henriques

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O Rei Vai Nú

Estou boquiaberta com o ataque disparatado a Isabel Jonet que inundou as redes sociais durante o dia de hoje. Ao minuto, constato que já há petições para a senhora se demitir do Banco Alimentar.

Alguém tem noção do trabalho que envolve montar um projecto desta envergadura? Alguém já tentou gerir equipas de voluntários? Alguém conhece um digno sucessor de Isabel Jonet a quem pudesse ser passada a pasta? Eu não.

Vejo a reportagem responsável por tanta celeuma e aquilo que Isabel Jonet diz é que o rei vai nú: que os portugueses passaram os últimos anos a viver acima das suas possibilidades e que agora vão ter de aprender a viver de outra maneira.

Não diz que não podem ir a concertos rock, não diz que não podem comer bifes, não diz que não se podem divertir nem ter dignidade. Diz que é natural que, neste clima de austeridade, muitas famílias venham a ter de escolher entre ir a concertos rock ou ir ao dentista. Onde está a novidade?

Não lhe vislumbro qualquer intuito de ofender quem que que seja, apenas uma perspectiva pragmática do infeliz panorama nacional.

Se os criadores dos grupos indignados nas redes virtuais dedicassem parte do seu tempo a alancar pacotes de leite no mundo real, fariam certamente melhor serviço. Indignante é ficar sentado na cadeira a insultar quem arregaça as mangas.
Francisca Prieto, aqui

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Presidente do Banco Alimentar contra a fome alerta para os riscos do consumismo e para a necessidade de empobrecer

Isabel Jonet provoca revolta nas redes sociais


Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar Contra a Fome, está a provocar a revolta nas redes sociais, devido às suas declarações na televisão, nas quais alertou para a necessidade de empobrecimento da sociedade e para os riscos do consumo.

"Temos todos de empobrecer e muito. Empobrecimento na perspectiva de regressar ao que é mais básico. Não ter expectativas de que podemos viver com mais do que necessitamos, pois não há dinheiro para isso", disse Jonet, no programa ‘Edição da Noite’, na SIC Notícias, onde deu o exemplo dos próprios filhos, que lavam os dentes com a água a correr em vez de usarem um copo: "A geração mais nova tem uma maneira diferente de viver. Deixou de se atribuir o valor real aos bens".
 
Fonte: aqui

Tina e Chandi

video

terça-feira, 6 de novembro de 2012

MORRER NÃO É O FIM

Esposa traída prega susto de morte à amante

Uma esposa traída resolveu telefonar para a secretária do marido (e suposta amante) para a deixar completamente tolhidinha de medo. Não vou contar mais para não estragar a surpresa, apenas digo que foi mau demais.
PS: Não está em português mas dá para perceber perfeitamente.

video

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

"Portugueses enganados com homeopatia"

Os investigadores Carlos Fiolhais e David Marçal apresentaram esta segunda-feira o livro ‘Pipocas com telemóvel’, no qual apresentam exemplos de falsa ciência. A homeopatia, uma forma de terapia alternativa, adoptada por milhões de portugueses, é para os autores o melhor exemplo de falsa ciência.

“Diz-se que há cerca de 3 milhões de portugueses a serem tratados pela homeopatia. Estão a ser enganados, porque não é mais do que água com açúcar”, afirmou David Marçal, doutorado em bioquímica pela Universidade Nova de Lisboa.
Carlos Fiolhais, professor catedrático no departamento de Física da Universidade de Coimbra, corrobora. “Alguém os anda a enganar. A verdade é que aquilo que as pessoas tomam não faz mal nenhum, a não ser à carteira”, comentou ao CM.
Para demonstrar que a homeopatia não funciona, Carlos Fiolhais e David Marçal tomaram uma caixa inteira de um medicamento homeopático à frente de uma plateia de cerca de 30 pessoas.
“O conceito passa por diluir uma substância activa para se atingir um resultado. A diluição é tão grande que não sobra nada da substância inicial. A memória da água, ao contrário do que já se tentou demonstrar, não existe”, afirmou David Marçal, sublinhando: “A homeopatia não tem base nenhuma de conhecimento científico”.
Confrontado com as declarações de Carlos Fiolhais e David Marçal, o presidente da Sociedade Homeopática de Portugal questionou os conhecimentos de ambos. “Dá vontade de rir ou talvez de chorar. São detractores da homeopatia, que é usada em muitos hospitais de referência em todo o mundo, como São Paulo, Viena ou Munique”, afirmou Francisco António Franco Patrício, recomendando aos dois investigadores “mais estudo sobre o que é a homeopatia”.
“Estes cientistas pensam que são o supra-sumo da barbatana. Deviam era estudar mais e melhor o que é a homeopatia”, acrescentou o médico de clinica geral, que pratica a homeopatia há 30 anos.
No livro são mostrados outros exemplos de falsa ciência, inclusive usada pelas escolas. “As crianças índigo, as lâmpadas que melhoram as capacidades das crianças são tudo exemplos de falsa ciência que são apresentados neste livro”, referiu Carlos Fiolhais.
Fonte: aqui

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O que Diz a Morte

Deixai-os vir a mim, os que lidaram;
Deixai-os vir a mim, os que padecem;
E os que cheios de mágoa e tédio encaram
As próprias obras vãs, de que escarnecem...

Em mim, os Sofrimentos que não saram,
Paixão, Dúvida e Mal, se desvanecem.
As torrentes da Dor, que nunca param,
Como num mar, em mim desaparecem. -

Assim a Morte diz. Verbo velado,
Silencioso intérprete sagrado
Das cousas invisíveis, muda e fria,

É, na sua mudez, mais retumbante
Que o clamoroso mar; mais rutilante,
Na sua noite, do que a luz do dia.

Antero de Quental, in "Sonetos"