quarta-feira, 31 de julho de 2019

terça-feira, 30 de julho de 2019

quarta-feira, 24 de julho de 2019

O Pássaro-Judeu-Falante


Li na semana passada o fabuloso conto de Bernard Malamud, o Pássaro-Judeu. Schwartz era um pássaro falante que passava a vida a fugir dos anti-semitas. Certo dia entrou pela casa adentro da família de Cohen, um comerciante corpulento e não mais de lá quis sair. Mas o comerciante convivia mal com pássaros falantes (quanto mais judeus!) e procurava expulsá-lo! Passaram-se meses. Mesmo depois do pássaro-judeu-palrador ter feito tanto bem naquela casa, achando-se sozinho com o pássaro, Cohen agarrou nas pernas finas de Schwartz, rodopiou-o e lançou-o na escuridão da noite.

O pior dos monstros não paira sobre a nossa cabeça, somos nós próprios. Somos Cohen. As mãos ensanguentadas dos anti-semitas são as nossas. A maldade que crucificou injustamente o Filho de David é nossa.

Fonte: aqui

sábado, 20 de julho de 2019

Durante uma visita a um museu...

Eis a cultura moderna!...

quinta-feira, 18 de julho de 2019

«Acorda-o tu.Foste tu que o puseste a dormir»!

Resultado de imagem para velhinho a dormir na missa
Um bispo mexicano viu um velhinho que dormia durante a homilia.
Intimou o neto:
- «Acorda o teu avô».
Replicou o neto:
- «Acorda-o tu.Foste tu que o puseste a dormir»!

quarta-feira, 10 de julho de 2019

O combate à segregação e à pobreza

O facto de ser notório de que quem tem uma família com menos posses, empregos precários e ainda menos educação não tem as mesmas possibilidades de progredir resolve-se com quotas, hoje para etnias, amanhã para outros grupos desfavorecidos?
A criação de medidas para melhorar o acesso e integração de minorias étnicas no Ensino Superior e no emprego foi ontem remetida para a próxima legislatura. Depois da ideia de criação de quotas, a que aludiu Rui Pena Pires, membro da comissão permanente do PS, ter feito correr tinta, um relatório do Parlamento sobre Racismo, Xenofobia e Discriminação Étnico-racial em Portugal defende a discriminação positiva mas não avança com a proposta de criação de quotas. A opção foi esperar para ver as propostas dos partidos nas Legislativas. A preocupação com o racismo na sociedade portuguesa tem estado patente no debate público nos últimos meses, com o caso do bairro Jamaica a tornar de novo visível uma periferia onde persistem guetos. Medidas, soluções? Debatem-se e esfumam-se.
Mais recentemente, há pouco mais de duas semanas, a discussão era sobre o elevador social avariado num país onde continuam a existir cursos (públicos) para ricos e para pobres. Mais de 70% dos alunos de Medicina vêm de escolas privadas. Os debates surgem em separado, com abordagens segmentadas, como se a equação não fosse, em última instância, a mesma. E se as quotas podem ser um incentivo à integração, será que chegam para combater a segregação e o efeito em cadeia da pobreza ao longo da vida? O facto de ser notório de que quem tem uma família com menos posses, empregos precários e ainda menos educação não tem as mesmas possibilidades de progredir resolve-se com quotas, hoje para etnias, amanhã para outros grupos desfavorecidos? Outro estudo desses que vão sendo conhecidos de forma avulsa revelou, no ano passado, que apesar de uma melhoria no período pós-crise, Portugal continua a ter níveis de desigualdades sociais superiores às da Europa. É o problema de fundo. Há 2,2 milhões de portugueses em risco de pobreza ou exclusão social. Quem são? Saber talvez deitasse luz sobre um debate e um caminho que tem sido feito às partes e, em grande medida, parece continuar adiado.
Marta F. Reis, aqui

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Ter filhos aos 40: um fracasso colectivo

Resultado de imagem para grávida aos 40
Não conheço melhor introdução ao fracasso colectivo da sociedade portuguesa. Uma sociedade composta por casais que começam a ter filhos aos 40 é uma sociedade em autodestruição.
“Há dias na MAC em que nenhum parto é de uma grávida com menos de 40 anos. É uma brutalidade”. Este é um facto salientado por Daniel Virella, presidente do colégio de neonatologia, ouvido pelo Expresso na semana passada. Não conheço melhor introdução ao fracasso colectivo da sociedade portuguesa. Uma sociedade composta por casais que começam a ter filhos aos 40 é uma sociedade em autodestruição. Lutar contra esta autodestruição tem sido, de resto, o coração desta coluna. Escrevo aqui na Renascença precisamente para isolar as causas deste fracasso.
Como é que chegámos a esta “brutalidade” que começa por colocar em risco a saúde ou mesmo a vida de mães e bebés? Para começar, o sacrifício e a renúncia não são valores da “geração mais bem preparada de sempre”. A minha geração e a geração ainda mais nova foram educadas no egocentrismo, num individualismo extremo que procura os prazeres imediatos e os sonhos profissionais. Portugal é um caso extremo da cultura pós-moderna que desvalorizou nas últimas décadas os conceitos de compromisso, casamento e família. Criámos uma sociedade de indivíduos solitários que jantam sozinhos, tendo a Netflix e o cão como única companhia. As nossas cidades vivem num presente perpétuo sem respeito pelo passado e sem consideração pelo futuro. É por isso que esta sociedade está a trocar as pessoas pelos animais. Literalmente. É por isso que temos os nossos velhos (o passado) a viver numa solidão que nos envergonha. É por isso que temos uma das taxas de natalidade (o futuro) mais baixas do mundo.
Por outro lado, quem rompe este cerco do egoísmo e procura de facto formar uma família encontra um rol de obstáculos. Em primeiro lugar, é mais difícil ser pai em 2019 do que em 1989. O caderno de encargos que o “ar do tempo” impõe aos pais é asfixiante. Apetece inverter a canção dos Pink Floyd, "leave the parents alone". Em segundo lugar, as grávidas e as mães são hostilizadas nos locais de trabalho - este é talvez o grande escândalo ou tabu que falta debater na sociedade portuguesa. Assim que engravida, a mulher é hostilizada; quando volta da licença, é hostilizada; quando tem de faltar devido às doenças, é hostilizada e despedida. É despedida directamente pelo patrão, mas também é despedida indirectamente pelo próprio marido, que nunca se sacrifica pela sua mulher e filhos, que nunca fica em casa a tomar conta dos miúdos. Neste contexto, é claro que as mulheres adiam o primeiro filho até à beira dos 40. Só que à beira dos 40 já é difícil engravidar. Só que à beira dos 40 ter mais do que um filho é uma proeza obviamente rara. Em terceiro lugar, o estado não tem feito políticas de família. Ter filhos não colhe benefícios fiscais e é sempre difícil e caro encontrar um lugar numa creche. Vivemos num país onde ter um bebé na creche é mais caro do que ter um filho na faculdade. Está tudo virado ao contrário.

Estive até aqui a debater o presente que criou esta “brutalidade”. Mas agora quero olhar para o futuro próximo. Se as crianças nascem quando os pais têm 40 anos, isto quer dizer que vão ter 10 anos quando os pais tiverem 50. Aos 50 anos como é que se tem energia para educar uma criança? Não se tem. Ou seja, estas crianças que nascem agora serão ainda mais egocêntricas e mimadas do que as gerações anteriores. Quase sempre filhos únicos, estas crianças vão controlar ainda mais os pais do que as crianças actuais. Por outras palavras, vamos ser uma sociedade ainda mais envelhecida e egoísta.
Que este tema não seja “o” tema é - em si mesmo - um sintoma do nosso fracasso colectivo.
Henrique Raposo, aqui