terça-feira, 24 de abril de 2018

quinta-feira, 12 de abril de 2018

PARAR PARA REFLECTIR!...


Ninguém pode viver sem afectos e sem prazeres!
Resultado de imagem para uma abraço afetivo
 Ninguém pode viver sem afectos e sem prazeres! Mas os prazeres mais consoladores e duradoiros são os que têm como centro o Deus do Amor! Razão tinha o grande pensador - Santo Agostinho- quando escreveu: “Fizeste-nos, Senhor, para Ti, e intranquilo está o nosso coração enquanto não descansar em Ti”! Prazer posso sentir eu quando leio alguma coisa que me conforta, que me entusiasma, que me fascina; quando contemplo algo maravilhoso como a arte, como o pôr do sol, como o sentir a linguagem das flores, como sentir Deus em todas as encruzilhadas da vida, como quando saboreio o conteúdo de um prato de que gosto, ou etc., etc., etc.
Quem ama a Jesus Cristo e O segue, deve ter presente no seu dia a dia palavras chave como consolar, animar e exortar quem o rodeia, sobretudo os que sofrem das formas mais diversificadas... Ainda recordo, com saudades, as palavras do que também foi meu Professor, o famoso e inesquecível neurologista Lobo Antunes, num Congresso realizado em Coimbra, cujo tema estava relacionado com a Bioética: “os agentes de saúde não embalem pelo computador, pelas caras tapadas ou pelas luvas na mão… Cumprimentem pessoalmente o doente, acariciem-no convenientemente, tratem-no pelo seu nome, e dediquem-lhe um tempinho que lhes é tão benéfico”. E argumentava dizendo que fazia isso mesmo aos seus doentes! Do carinho, até os animaizinhos gostam!... Curiosamente, todos aqueles a quem dispensamos carinho, entendem a linguagem do carinho, do afecto, da proximidade, do olhar olhos nos olhos e no saber ‘ler’ as lágrimas que em silêncio correm pelo rosto de quem sofre e se sente desamparado e desanimado… E se possível, dêmos um abraço a quem precisa de afectos…
O abraço deve transmitir fé, amor, esperança, compaixão, caridade, acolhimento, ternura, afecto. Como ficamos felizes quando recebemos um abraço franco, rasgado, amigo. Como sofremos, se temos a percepção de que o abraço que recebemos é o abraço que Cristo recebeu de Judas!...
Li em tempos este excerto de Wagner Santana que me encantou pela energia que ele transmite. O assunto é sobre o valor do abraço!
“O abraço segundo alguns especialistas faz bem para a saúde psíquica e física. Ele tem o poder de aumentar os níveis de uma substância, chamada, oxitocina, que tem a particularidade de reduzir os estados de stress e ansiedade aumentando a felicidade e bem estar das pessoas. Mães, que têm um nível elevado de oxitocina, têm a probabilidade de desenvolverem um comportamento maior de ligação com seus filhos. O abraço, pode expressar: Amor, Amizade, Companheirismo, Proteção, Afeto, Segurança, Apoio, Conforto e outros sentimentos, que fazem com que, quem abraça, e quem é abraçado, se sinta muito melhor. O abraço estabelece uma ligação íntima. E saudável entre as pessoas. É um gesto simples, porém carregado de sentimentos. Desde a infância aprendemos a abraçar, aqueles a quem amamos, para expressar nossos sentimentos. seja num momento de alegria ou de tristeza. Para quem passa por um momento difícil, receber um abraço é reconfortante, porque significa, apoio, atenção, consolo e solidariedade. O abraço pode ser fraterno: Quando abraçamos, um amigo, um irmão. ou pode ser Paterno: que é aquele abraço que damos em nossos filhos (como na passagem do filho Pródigo, em Lucas 15.10). Não podemos em nenhuma hipótese, deixar de dar, a este ato, o valor que ele tem. Não negue a alguém, um abraço, demonstre seus sentimentos, você verá, o quanto fará alguém mais feliz, e o quanto você se sentirá mais feliz também.”
O Dr. Miguel Costa, Pediatra no Hospital S. Sebastião (Santa Maria da Feira) partilhou, via facebook, esta extraordinária afirmação: “O genérico dos ansiolíticos chama-se ABRAÇO. É o que precisamos!... Montanhas deste genérico!...” Apetece-me dizer: Obrigado, sr. Doutor Miguel por esta rica mensagem!... Também alguém escreveu que “a função do contacto e da carícia tem um objectivo terapêutico”…
Assim sendo, aqui vai um forte e amigo abraço pascal para todos os meus AMIGOS e não só!... E eu quero recebê-lo, tal como o do Pai ao Filho pródigo!... Este tipo de abraço transmite a paz que desejamos possuir!...
João A Bezerra, in Facebook

Rir faz bem. Então sorria, vendo estes pequenos vídeos!


terça-feira, 10 de abril de 2018

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Sete frases marcantes da "Gaudete et Exsultate"

A exortação apostólica "Gaudete et Exsultate" foi divulgada pela Santa Sé, esta segunda-feira. 
Foto: Maurizio Brambatti/EPA
A santidade é para todos, mas a exortação apostólica "Gaudete et Exsultate", divulgada esta segunda-feira, "não é um tratado sobre a santidade, com muitas definições e distinções”.
O Papa deixa a advertência, mas da leitura do texto sobressaem algumas ideias fortes, traduzidas em frases marcantes. Ficam algumas:
“Se não cultivarmos uma certa austeridade, se não lutarmos contra esta febre que a sociedade de consumo nos impõe para nos vender coisas, acabamos por nos transformar em pobres insatisfeitos que tudo querem ter e provar.” “Tudo se enche de palavras, prazeres epidérmicos e rumores a uma velocidade cada vez maior; aqui não reina a alegria, mas a insatisfação de quem não sabe para que vive.”
“Todos, mas especialmente os jovens, estão sujeitos a um zapping constante. É possível navegar simultaneamente em dois ou três visores e interagir ao mesmo tempo em diferentes cenários virtuais. Sem a sapiência do discernimento, podemos facilmente transformar-nos em marionetes à mercê das tendências da ocasião.” “Para ser santo, não é necessário ser bispo, sacerdote, religiosa ou religioso. Muitas vezes somos tentados a pensar que a santidade esteja reservada apenas àqueles que têm possibilidade de se afastar das ocupações comuns, para dedicar muito tempo à oração.”
“Não pensemos que [o diabo] é um mito, uma representação, um símbolo, uma figura ou uma ideia. Este engano leva-nos a diminuir a vigilância, a descuidar-nos e a ficar mais expostos. O demónio não precisa de nos possuir. Envenena-nos com o ódio, a tristeza, a inveja, os vícios.”
“A defesa do inocente nascituro, por exemplo, deve ser clara, firme e apaixonada, porque neste caso está em jogo a dignidade da vida humana, sempre sagrada, e exige-o o amor por toda a pessoa, independentemente do seu desenvolvimento.”
“Muitas vezes ouve-se dizer que, face ao relativismo e aos limites do mundo atual, seria um tema marginal, por exemplo, a situação dos migrantes. Alguns católicos afirmam que é um tema secundário relativamente aos temas ‘sérios’ da bioética.”
Fonte: aqui

quinta-feira, 5 de abril de 2018